Visão Espírita da Bíblia



VISÃO ESPÍRITA DA BÍBLIA


Evidentemente que o meu objetivo não é desacreditar a Bíblia, mas colocá-la no lugar que ela realmente merece, pois ela, sem a menor sombra de dúvida, é o mais completo e importante documento histórico que a humanidade tem em mãos. Mas, que fique claro: a Bíblia não é a palavra de Deus. Eis porque é indispensável interpretá-la
Há algum tempo, eu venho constatando que muitos dos nossos irmãos espíritas, vários até com um bom conhecimento da Doutrina, têm medo de envolver-se em temas considerados mais ou menos contraditórios e se omitem de explanar suas opiniões, sob a alegação de que não querem causar polêmica. 



VISÃO ESPÍRITA DA BÍBLIA, J. Herculano Pires

O Espiritismo
A antiga religião hebraica é geralmente conhecida como Mosaísmo, porque surgiu e se desenvolveu com Moisés. A nova religião dos Evangelhos é designada como Cristianismo, porque vem do ensino do Cristo. Mas, assim como nas páginas da Bíblia lado o advento do Cristo, também nas páginas do está anunciado o advento do Espírito de Verdade. Este advento se deu no século passado, com a terceira e última revelação cristã, chamada revelação espírita. Cinco novos livros aparecem, então, escritos por Kardec, mas ditados, inspirados e Orientados pelo Espírito de Verdade e outros Espíritos Superiores.
Os cinco livros fundamentais do Espiritismo, que têm como base O Livro dos Espíritos, representam a codificação da terceira revelação. Essa revelação se chama Espiritismo porque foi dada pelos Espíritos. Sua finalidade é esclarecer os ensinos anteriores, de acordo com a mentalidade moderna, já suficientemente arejada e evoluída para entender as alegorias e símbolos contidos na Bíblia e no Evangelho. Mas enganam-se os que pensam que a Codificação do Espiritismo contraria ou reforma o Evangelho.
VISÃO ESPÍRITA DA BÍBLIA, J. Herculano Pires

l - NOTA DA EDITORA
O presente livro é a reunião de crônicas escritas por J. Herculano Pires e publicadas, em sua maioria, no extinto jornal "Diário de São Paulo". Como os leitores poderão ver, a atualidade destas páginas é indiscutível. Herculano Pires foi um dos mais felizes intérpretes do pensamento espírita dentre os que reencarnaram e já retornaram ávida espiritual. Por isso, seus escritos constituem páginas de grande importância para os estudiosos do Espiritismo. Ao reuni-las em livro e apresentá-las ao público, Edições Correio Fraterno presta homenagem a José Herculano Pires, no décimo ano de seu desencarne. S. Bernardo do Campo. Março de 1989.
2 - BÍBLIA E EVANGELHO
A Bíblia (que o nome quer dizer simplesmente: O Livro) é na verdade uma biblioteca, reunindo os livros diversos da religião hebraica. Representa a codificação da primeira revelação do ciclo do Cristianismo. Livros escritos por vários autores estão nela colecionados, em número de 42. Foram todos escritos em hebraico e aramaico e traduzidos mais tarde para o latim, por São Jerônimo, na conhecida Vulgata Latina, no século quinto da nossa era. As igrejas católicas e protestantes reuniram a esse livro os Evangelhos de Jesus, dando a estes o nome geral de Novo Testamento.
O Evangelho, como se costuma designar o Novo Testamento, não pertence de fato à Bíblia. É outro livro, escrito muito mais tarde, com a reunião dos vários escritos sobre Jesus e seus ensinos. O Evangelho é a codificação da segunda revelação cristã. Traz uma nova mensagem, substituindo o deus-guerreiro da Bíblia pelo deus-amor do Sermão da Montanha. No Espiritismo não devemos confundir esses dois livros, mas devemos reconhecer a linha histórica e profética, a linhagem espiritual que os liga. São, portanto, dois livros distintos.



Visão Espírita da Bíblia, por José Herculano Pires: Bíblia e Evangelho

A Bíblia (que o nome quer dizer simplesmente: O Livro) é na verdade uma biblioteca, reunindo os livros diversos da religião hebraica. Representa a codificação da primeira revelação do ciclo do Cristianismo. Livros escritos por vários autores estão nela colecionados, em número de 42. Foram todos escritos em hebraico e aramaico e traduzidos mais tarde para o latim, por São Jerônimo, na conhecida Vulgata Latina, no século quinto da nossa era. As igrejas católicas e protestantes reuniram a esse livro os Evangelhos de Jesus, dando a estes o nome geral de Novo Testamento.
O Evangelho, como se costuma designar o Novo Testamento, não pertence de fato à Bíblia. É outro livro, escrito muito mais tarde, com a reunião dos vários escritos sobre Jesus e seus ensinos. O Evangelho é a codificação da segunda revelação cristã. Traz uma nova mensagem, substituindo o deus-guerreiro da Bíblia pelo Deus/Amor do Sermão da Montanha. No Espiritismo não devemos confundir esses dois livros, mas devemos reconhecer a linha histórica e profética, a linhagem espiritual que os liga. São, portanto, dois livros distintos.

O Espiritismo
A antiga religião hebraica é geralmente conhecida como Mosaísmo, porque surgiu e se desenvolveu com Moisés. A nova religião dos Evangelhos é designada como Cristianismo, porque vem do ensino do Cristo. Mas, assim como nas páginas da Bíblia lado o advento do Cristo, também nas páginas do está anunciado o advento do Espírito de Verdade. Este advento se deu no século passado, com a terceira e última revelação cristã, chamada revelação espírita.
Cinco novos livros aparecem, então, escritos por Kardec, mas ditados, inspirados e Orientados pelo Espírito de Verdade e outros Espíritos Superiores. Os cinco livros fundamentais do Espiritismo, que têm como base O Livro dos Espíritos, representam a codificação da terceira revelação.
Essa revelação se chama Espiritismo porque foi dada pelos Espíritos. Sua finalidade é esclarecer os ensinos anteriores, de acordo com a mentalidade moderna, já suficientemente arejada e evoluída para entender as alegorias e símbolos contidos na Bíblia e no Evangelho. Mas enganam-se os que pensam que a Codificação do Espiritismo contraria ou reforma o Evangelho.

José Reis Chaves




Sentido histórico da Bíblia e sua Natureza Profética


Qual a posição do Espiritismo diante do problema bíblico? Os recentes debates na televisão entre espíritas, pastores protestantes e sacerdotes católicos, deram motivo a algumas incompreensões, de que se aproveitaram adversários pouco escrupulosos da Doutrina Espírita, para lhe desfecharem novos e injustos ataques. Vamos procurar esclarecer, por estas colunas, a posição espírita, como já havíamos prometido.
Kardec define essa posição, desde O Livro dos Espíritos, como a de estudo e esclarecimento do texto, à luz da História e na perspectiva da evolução espiritual da Humanidade. No cap. III deste livro, final do item 59, depois de analisar as contradições entre a Bíblia e as Ciências, no tocante à criação do mundo, ele declara: “Devemos concluir que a Bíblia é um erro? Não; mas que os homens se enganaram na sua interpretação”.
Essas palavras de Kardec, sustentadas através de toda a Codificação, esclarecem a posição espírita. Devemos reconhecer na Bíblia a sua natureza profética (ou seja: mediúnica), encerrando a l Revelação, no ciclo histórico das revelações cristãs. Esse ciclo começa com Moisés (l Revelação), define-se com Jesus (II Revelação) e encerra-se com o Espiritismo (III Revelação). Os leitores encontrarão explicações detalhadas a respeito em O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec, que é um manual de moral evangélica. 
O conceito espírita de Revelação, porém, não é o mesmo das religiões em geral. Revelar é ensinar, e isso tanto pode ser feito pelos Espíritos (revelação divina) quanto pelos homens (revelação humana), mas não por Deus “em pessoa”, porque Deus age através de suas leis e dos Espíritos. A revelação bíblica, portanto, não pode ser chamada de “palavra de Deus”. Ela é, apenas, a palavra dos Espíritos-Reveladores, e essa palavra é sempre adequada ao tempo em que foi proferida. Isto é confirmado pela própria Bíblia, como veremos no decorrer deste estudo.
A expressão “a palavra de Deus” é de origem judaica. Foi naturalmente herdada pelo Cristianismo, que a empregou para o mesmo fim dos judeus: dar autoridade à Igreja. A Bíblia, considerada “a palavra de Deus”, reveste-se de um poder mágico: a sua simples leitura, ou simplesmente a audiência dessa leitura, pode espantar o Demônio de uma pessoa e convertê-la a Deus. Claro que o Espiritismo não aceita nem prega essa velha crendice, mas não a condena. A cada um, segundo suas convicções, desde que haja boa intenção.

Coisas terríveis e ingênuas figuram nos livros bíblicos


A palavra de Deus não está na Bíblia, mas na natureza, traduzida em suas leis. A Bíblia é simplesmente uma coletânea de livros hebraicos, que nos dão um panorama histórico do judaísmo primitivo. Os cinco livros iniciais da Bíblia, que constituem o Pentateuco mosaico, referem-se à formação e organização do povo judeu, após a libertação do Egito e a conquista de Canaã. Atribuídos a Moisés, esses livros não foram escritos por ele, pois relatam, inclusive, a sua própria morte.
As pesquisas históricas revelam que os livros da Bíblia têm origem na literatura oral do povo judeu. Só depois do exílio na Babilônia foi que Esdras conseguiu reunir e compilar os livros orais (guardados na memória) e proclamá-los em praça pública como a lei do judaísmo, ditada por Deus.
Os relatos históricos da Bíblia são ao mesmo tempo ingênuos e terríveis. Leia o estudante, por exemplo, o Deuteronômio, especialmente os capítulos 23 e 28 desse livro, e  veja se Deus podia ditar aquelas regras de higiene simplória, aquelas impiedosas leis de guerra total, aquelas maldições horríveis contra os que não creem na “sua palavra”. Essas maldições, até hoje, apavoram as criaturas simples que têm medo de duvidar da Bíblia. Muitos espertalhões se servem disso e do prestígio da Bíblia como “palavra de Deus”, para arregimentar e tosquiar gostosamente vastos rebanhos.
As leis morais da Bíblia podem ser resumidas nos Dez Mandamentos. Mas esses mandamentos nada têm de transcendentes. São regras normais de vida para um povo de pastores e agricultores, com pormenores que fazem rir o homem de hoje. Por isso, os mandamentos são hoje apresentados em resumo.
O Espírito que ditou essas leis a Moisés, no Sinai, era o guia espiritual da família de Abrão, Isaac e Jacob, mais tarde transformado no Deus de Israel. Desempenhando uma elevada missão, esse Espírito preparava o povo judeu para o monoteísmo, a crença num só Deus, pois os deuses da antiguidade eram muitos.
O Espiritismo reconhece a ação de Deus na Bíblia, mas não pode admiti-la como a “palavra de Deus”. Na verdade, como ensinou o apóstolo Paulo, foram os mensageiros de Deus, os Espíritos, que guiaram o povo de Israel, através dos médiuns, então chamados profetas.
O próprio Moisés era um médium, em constante ligação com lave ou Jeová, o deus bíblico, violento e irascível, tão diferente do deus-pai do Evangelho. Devemos respeitar a Bíblia no seu exato valor, mas nunca fazer dela um mito, um novo bezerro de ouro. Deus não ditou nem dita livros aos homens.


Como a palavra de Deus ficou sujeita ao homem


Os estudos bíblicos se processam no mundo em duas direções diversas: há o estudo normativo dos institutos religiosos, ligados às várias igrejas, que seguem as regras de hermenêutica e a orientação de pesquisas destas igrejas; e há o estudo livre dos institutos universitários independentes, que seguem os princípios da pesquisa científica e da interpretação histórica. O Espiritismo não se prende a nenhum dos dois sistemas, pois sua posição é intermediária. Reconhecendo o conteúdo espiritual da Bíblia, o Espiritismo estuda à luz dos seus princípios, em harmonia com os métodos da antropologia cultural e dos estudos históricos.
Somente às religiões dogmáticas, que se apresentam como vias exclusivas de salvação, interessa o velho conceito da Bíblia como palavra de Deus. Primeiro, porque esse conceito impede a investigação livre. Considerada como palavra de Deus, a Bíblia é indiscutível, deve ser aceita literalmente ou de acordo com a “interpretação autorizada da igreja”. Por isso, as igrejas sempre se apresentam como “autoridade única na interpretação da Bíblia”. Segundo, porque essa posição corresponde aos tempos mitológicos, ao pensamento mágico, e não à era de razão em que vivemos.
Vimos rapidamente as contradições insanáveis em que se afundam os hermeneutas religiosos. Veem-se eles obrigados a perigosas ginásticas do raciocínio, apoiadas em fórmulas pré-fabricadas, para se safarem das contradições do texto. Mas não escapam jamais à contradição fundamental, que é esta: consideram a Bíblia como a palavra de Deus, mas estabelecem, para sua interpretação, regras humanas. Dessa maneira, é o homem que faz Deus dizer o que lhe interessa.
Há no meio espírita alguns críticos agressivos da Bíblia. São confrades ilustres e estudiosos, que tomam essa posição em face das agressões religiosas à Doutrina, com base nos textos bíblicos. A posição da Doutrina, porém, não é essa, como já vimos em Kardec. 

As supostas condenações do Espiritismo pela Bíblia decorrem das interpretações sacerdotais. A Bíblia é um dos maiores repositórios de fatos espíritas de toda bibliografia religiosa. E os textos bíblicos estão eivados de passagens tipicamente espíritas, como veremos.


Toda a Bíblia está Cheia dos Fenômenos Mediúnicos


O Espiritismo é apresentado por Kardec, sob a orientação do Espírito da Verdade, como uma sequência natural do Cristianismo. É o cumprimento da promessa evangélica de Jesus, de enviar à Terra o Consolador, que completaria o seu ensino, esclarecendo os homens a respeito daquilo que ele só pudera ensinar através de alegorias, no seu tempo. Os homens de então não estavam em condições de compreender o fenômeno natural da comunicação espírita, que misturavam com sistemas de magia e interpretações supersticiosas.
Em A Gênese, Kardec esclarece, no primeiro capítulo, que era necessária a evolução das ciências, o progresso dos conhecimentos, o desenvolvimento intelectual, para que o Espiritismo fizesse seu aparecimento, como doutrina, em nosso mundo.
Assim sendo, o Espiritismo tem como base as Escrituras, tem seus fundamentos na Bíblia. Mas é claro que o conceito espírita da Bíblia não pode ser igual ao das religiões que ficaram no passado, apegadas às formas sacramentais de magia, aos ritos materiais e aos cultos exteriores do próprio paganismo.
A Bíblia não pode ser, para o espírita esclarecido, a “palavra de Deus”, pois é um livro escrito pelos homens, como todos os outros livros, e é, principalmente, um conjunto de livros em que encontramos de tudo, desde as regras simplórias de higiene dos judeus primitivos até as lendas e tradições do povo hebreu, misturadas às heranças dos egípcios e babilônios. O Espiritismo ensina a encarar a Bíblia como um marco da evolução religiosa na Terra, mas não faz dela um novo bezerro de ouro.
É difícil falarmos da Bíblia a pessoas apegadas ao processo de fanatismo religioso de algumas seitas obscurantistas, que chegam, em pleno século vinte, ao cúmulo de renegarem a cultura, para só aceitarem os escritos judeus da época das civilizações agrárias. São pessoas simples e crentes, que merecem o nosso respeito, mas inteiramente incapazes de compreender o problema bíblico.
Isso, entretanto, não deve impedir-nos de esclarecer esse problema à luz dos princípios espíritas. A Bíblia não condena o Espiritismo. Pelo contrário, a Bíblia confirma o Espiritismo, como demonstraremos. Basta lembrar o caso de Samuel, atormentado pelo espírito mau, aliviado pela mediunidade de Davi, que usava a música para afastá-lo. Caso típico de mediunidade curadora, constante de Samuel 16: 14-23. E o colégio de médiuns que acompanhava Moisés no deserto? E assim por diante, da primeira à última página da Bíblia. Mas o pior cego é aquele que não quer enxergar.


Professor de Teologia Defende a Interpretação Espírita da Bíblia

 Numa insistência verdadeiramente desanimadora, certas seitas religiosas que fazem do combate ao Espiritismo a sua principal tarefa, alegam sempre que os espíritas têm medo da Bíblia. Num debate de TV, o reitor de um instituto bíblico protestante chegou a declarar aos espíritas presentes, de Bíblia em punho: “Vocês não querem ouvir a palavra de Deus, mas hoje vão ouvir”! Na sua ingenuidade, pensava que a leitura da Bíblia poria os espíritas a correr.
Outro pastor, chefe de uma seita por ele mesmo fundada, escandalizou-se quando afirmamos que a Bíblia não é a palavra de Deus, e ingenuamente perguntou-nos: “Mas o Senhor tem a coragem de dizer uma coisa dessas na frente do povo de São Paulo”? Mais tarde, esquecendo os seus deveres religiosos de honestidade e respeito à verdade, promoveu uma campanha sistemática, pelo rádio, de desvirtuamento das nossas declarações. Pensava, certamente, que Deus aprovava sua “bonita” atitude.
Alguns espíritas, por sua vez, ficaram assustados com a nossa audácia. Achavam que poderíamos afastar do Espiritismo os crentes na Bíblia. Esqueceram-se de que o Espiritismo não se interessa por quantidade de adeptos, mas pela sua qualidade. Espíritas que se assustam com a verdade sobre a Bíblia, estão ainda longe de compreender a Doutrina.
Foi por isso tudo que resolvemos enfrentar o tema durante algum tempo, nesta seção (1). É necessário que se diga a verdade, que se esclareça o povo, em vez de deixá-lo iludido por expressões como “a palavra de Deus”, que servem apenas para os que não querem estudar o problema bíblico em sua realidade histórica, religiosa e cultural.
Os que vivem gritando, de Bíblia em punho, que o Espiritismo é condenado pela Bíblia, não conhecem uma coisa nem outra. Ignoram o que seja a Bíblia e não têm a mais leve noção de Espiritismo. No dia em que conhecerem ambas as coisas, terão vergonha de suas acusações atuais. Se essas pessoas gostassem de ilustrar-se um pouco, indicaríamos a elas a leitura de alguns livros de ilustres figuras protestantes.
Por exemplo, o livro de Haraldur Nielson, teólogo, tradutor da Bíblia para o islandês e professor de teologia da Universidade da Islândia, intitulado: O Espiritismo e a Igreja2. É um livrinho pequeno, que ainda agora aparece em nova edição brasileira e está nas livrarias. Nesse livro, os nossos acusadores terão o testemunho de um membro da Sociedade Bíblica Inglesa, que não se tornou espírita, mas que reconhece a natureza dos livros bíblicos. Ele protesta contra as afirmações, sempre levianas, de que a Bíblia condena as manifestações espíritas e as sessões de Espiritismo.
I. O autor se refere à coluna que mantinha no “Diário de São Paulo”. 2. Livro relançado “Edições Correio Fraterno”, Caixa Postal 58, CEP 09700, São Bernardo do Campo SP.


Ensinou o apóstolo Paulo: A Bíblia é um Livro Mediúnico


A origem mediúnica das religiões é hoje uma tese provada pelas pesquisas antropológicas e etnológicas. Só os materialistas a rejeitam. Os interessados podem estudar o assunto no livro do Prof. Ernesto Bozzano, Fenomini Supranormali e Popoli Primitivi (Edizione Europa, Verona), ou em nosso livro O Espírito e o Tempo, lançado pela Editora Pensamento, nesta capital. A origem da Bíblia é um capítulo natural desse processo geral que originou as religiões. Os leitores podem encontrar material a respeito no livro do prof. Romeu do Amaral Camargo, De Cá e de Lá, no meu livro já citado e em Os 3 caminhos de Hécate, editado pela Edicel.
Mas não pense o leitor que são os espíritas que afirmam a origem mediúnica da Bíblia. Quem afirmou foi o apóstolo Paulo, quando declarou peremptoriamente: “Vós recebestes a lei por mistérios dos anjos”, isto em Atos, 7:53, explicando ainda em Hebreus 2:2: “Porque a lei foi anunciada pêlos anjos”, e confirmando na mesma epístola, l: 14: “Espíritos são administradores, enviados para exercer o ministério”. Antes, em Hebreus, l:7, Paulo, depois de advertir que Deus havia falado de muitas maneiras aos profetas, acrescenta: “Sobre os anjos, diz: o que faz os seus anjos espíritos e os seus ministros chamas de fogo”.
Está claro que os anjos são espíritos, reveladores das leis de Deus aos homens, como afirma o Espiritismo. Paulo vai mais longe, afirmando em Atos 7:30-31, que Deus falou a Moisés através de um anjo na sarça-ardente. Veja-se o que ficou dito acima: os anjos são espíritos, ministros de Deus, que o faz chama do fogo, nas aparições mediúnicas. O reverendo Haraldur Nielson, em seu livro O Espiritismo e a Igreja, ele que foi o tradutor da Bíblia para o islandês, a serviço da Sociedade Bíblica Inglesa, afirma que o Cristo é muitas vezes chamado no Evangelho, no original grego, de “pneuma”, depois da ressurreição. E “pneuma” quer dizer espírito. Da mesma maneira, lembra que Paulo, em Hebreus, 12:9, refere-se a Deus como “Deus dos Espíritos”. Lembra ainda que as manifestações dos Espíritos, nas sessões que realizou com o bispo Hallgrimur Svenson em Reikjavik, eram na forma de línguas de fogo. Essas manifestações confirmavam que o anjo da sarça-ardente e os fenômenos do Pentecostes foram mediúnicos.
O que falta aos acusadores do Espiritismo é estudo. Se pusessem o seu dogmatismo de lado e estudassem um pouco, haveriam de compreender essas coisas. A Bíblia foi inspirada pêlos Espíritos, como mensageiros de Deus, no tocante aos seus livros proféticos, que chamamos de mediúnicos. Os livros históricos e de legislação civil receberam também a colaboração dos Espíritos. A Bíblia, pois, é um livro mediúnico que não pode condenar o Espiritismo, pois estaria se condenando a si mesma.


Comunicações de Espíritos e Materialização na Bíblia


O ministério dos anjos, esse ministério divino, a que o apóstolo Paulo se referiu tantas vezes, é exercido através da mediunidade. A própria Bíblia nos relata uma infinidade de comunicações mediúnicas. Veja-se, por exemplo, as palavras do rei Samuel, em Provérbios, 31:1-9, que, segundo o texto bíblico, são “a profecia com que lhe ensinou sua mãe”. Temos ali uma comunicação espírita integralmente reproduzida na Bíblia. A mãe do rei Samuel (não em forma de anjo, mas na sua própria forma humana) aparece ao Rei e lhe dita a mensagem.
A Bíblia condenou essa comunicação? Não. Pelo contrário, aprovou-a e transcreveu-a. Em Números l 1:23-25, temos a descrição de dois fatos mediúnicos valiosos. Primeiro, o Senhor fala a Moisés. Depois, Moisés reúne os setenta anciãos, formando uma roda, e o Senhor se manifesta materialmente, descendo numa nuvem. Temos a comunicação pessoal de Jeová a Moisés, e a seguir o fenômeno evidente de materialização de Jeová, através da mediunidade dos anciãos, reunidos para isso na tenda. A nuvem é a formação de ectoplasma na qual o espírito se corporifica.
Só os que não conhecem os fenômenos espíritas podem aceitar que ali se deu um milagre, um fato sobrenatural. E podem aceitar, também, a manifestação do próprio Deus. Longe disso. Jeová era o espírito protetor de Israel, que se apresentava como Deus, porque a mentalidade dos povos do tempo era mitológica, e os espíritos eram considerados deuses. O filósofo Tales de Mileto já dizia, na Grécia, cinco séculos antes de Cristo: “O mundo é cheio de deuses”. Os espíritos elevados eram considerados deuses benéficos, e os espíritos inferiores eram deuses maléficos. Daí a invenção do Diabo, como concorrente de Deus no domínio do mundo e das almas.
Deuses, anjos e demônios, da Bíblia, dos Vedas, do Alcorão, de todos os livros sagrados, nada mais são do que espíritos. Como podem essas criaturas condenar o Espiritismo? Elas são a prova tradicional da verdade espírita, ao longo da História, como ensina Kardec. O que Moisés condenou foi apenas o abuso da mediunidade. Isso, o Espiritismo também condena.


Moisés Proibiu o que o Espiritismo Proíbe

A condenação do Espiritismo pela Bíblia, que é a mais citada e repetida, figura no Cap. 19 do Deuteronômio. É a condenação de Moisés, que vai do versículo 9 ao 14.
A tradução, como sempre, varia de um tradutor para outro, e às vezes nas diversas edições da mesma tradução. Moisés proíbe os judeus, quando se estabeleceram em Canaã, de praticar estas abominações: fazer os filhos passarem pelo fogo; entregar-se à adivinhação, prognosticar, agourar ou fazer feitiçaria; fazer encantamento, necromancia, magia, ou consultar os mortos. E Moisés acrescenta, no versículo 14: “Porque essas nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores, porém a ti o Senhor teu Deus não permitiu tal coisa”.
Assim está na tradução de Almeida, mas variando de forma, por exemplo, na edição das Sociedades Bíblicas Unidas e na edição mais recente da Sociedade Bíblica do Brasil.
Na primeira dessas edições (ambas da mesma tradução de João Ferreira de Almeida) lê-se, por exemplo: “quem pergunte a um espírito adivinhante”, e na segunda: “quem consulte os mortos”. Na tradução de António Pereira de Figueiredo, lê-se: “nem quem indague dos mortos a verdade”.
Qual delas estará mais de acordo com o texto? Seja qual for, pouco importa, pois a verdade dita pelos mortos ou pelos vivos (estes, mortos na carne) é que tudo isso que Moisés condena, também o Espiritismo condena.
Não esqueçamos, porém, de que a condenação de Moisés era circunstancial, pois os povos de Canaã, que os judeus iam conquistar a fio de espada, eram os que praticavam essas coisas. Mas a condenação do Espiritismo é permanente e geral, pois o Espiritismo, sendo essencialmente cristão, não se interessa por conquistas guerreiras e não faz divisão entre os povos.
Kardec adverte em O Evangelho Segundo o Espiritismo, livro de estudo das partes morais do Evangelho: “Não soliciteis milagres nem prodígios ao Espiritismo, porque ele declara formalmente que não os produz”. (Cap. XXI: 7). Em O Livro dos Médiuns, Kardec adverte: “Julgar o Espiritismo pelo que ele não admite, é dar prova de ignorância e desvalorizar a própria opinião”. (Cap. 11:14).
Em A Gênese e em O Livro dos Espíritos, como nos já citados, Kardec esclarece que a finalidade da prática espírita é moralizar os homens e os povos. Quem conhece o Espiritismo sabe que todo interesse pessoal, particular, é rigorosamente condenado. Adivinhações, agouros, feitiçaria, encantamentos, consultar interesseiras, são práticas de magia antiga, que Moisés condenou, como o Espiritismo condena hoje. Mas o próprio Moisés aprovou a mediunidade moralizadora, a prática espiritual da relação com o mundo invisível, como veremos.



Moisés Praticava e Desejava a Mediunidade bem Orientada


As pretensas condenações da Bíblia ao Espiritismo, são condenações das práticas de magia, que os judeus haviam aprendido na Babilônia e no Egito, e que iriam encontrar também em Canaã, pois os cananitas (habitantes da Palestina) como todos os povos antigos, davam-se a essas práticas.
Mas nos mesmos livros da Bíblia, em que aparecem essas condenações, há numerosas ordenações que os mais aferrados seguidores da Bíblia não obedecem. Um pastor nos respondeu, em programa de televisão, que a sua igreja cumpria a “palavra de Deus” pela metade.
O que vale dizer que a palavra de Deus é por ela desrespeitada. Preferimos cumprir a palavra de Deus integralmente, e por isso evitamos confundi-la com as palavras humanas e com a legislação envelhecida de povos antigos.
Conforme prometemos, vamos hoje demonstrar que Moisés, o grande legislador judeu, médium de excepcionais faculdades, não condenou, mas praticou a mediunidade e desejava vê-la praticada pelo seu povo. Quanto à prática da mediunidade por Moisés, não precisamos fazer novas citações.
Ele recebia espíritos, conversava com espíritos, evocava espíritos, e além disso fazia-se acompanhar no deserto por uma equipe de médiuns, provocando até mesmo fenômenos de materialização. Isso tudo já demonstramos. Mas vamos agora a um episódio que pastores e padres não citam, mas que está na Bíblia, em todas as traduções.
O prof. Romeu do Amaral Camargo, que foi diácono da l Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo, comenta esse episódio em seu livro espírita “De cá e de Lá”. É o constante do livro de Números, Cap. 11, versículos 26 a 29. Foi logo após a reunião dos setenta médiuns na tenda, para a manifestação de Jeová.
Dois médiuns haviam ficado no campo: Eldad e Medad. E lá mesmo foram tomados e profetizavam, ou seja, davam comunicações de espíritos. Um jovem correu e denunciou o fato a Josué. Este pediu a Moisés que proibisse as comunicações.
A resposta de Moisés é um golpe de morte em todas as pretensas condenações do Espiritismo pela Bíblia. Eis o que diz o grande condutor do povo hebreu: “Que zelos são esses, que mostras por mim? Quem dera que todo o povo profetizasse, e que o Senhor lhe desse o seu espírito”!
Comenta o prof. Camargo: “Médium de extraordinárias faculdades, Moisés sabia que Eldad e Medad não eram mercenários nem mistificadores, não procuravam comunicar-se com o mundo invisível, mas eram procurados pelos espíritos”. Como acabamos de ver, Moisés aprovava a mediunidade pura que o Espiritismo aprova e defende. Mas o pior cego é o que não quer ver, principalmente quando fechar os olhos é conveniente e proveitoso.



A PRIMEIRA SESSÃO ESPÍRITA NA BÍBLIA


A Bíblia conta que num banquete dado por Baltasar, rei da Babilônia, materializou-se a mão de um homem, que escreveu numa parede três palavras desconhecidas (capítulo 5º de Daniel). Então, o rei mudou de cor, seus pensamen­tos se turbaram, as juntas dos seus membros se relaxaram e seus joelhos puseram-se a bater um contra o outro, o que significa dizer que o rei ficou apavorado. Esse fenômeno mediúnico de efeito físico está longe de ser o primeiro e único na Bíblia, que dá testemunho de inúmeros deles, desde Moisés até às últimas páginas do Novo Testamento.

A PRIMEIRA SESSÃO ESPÍRITA

Um amigo meu, Pastor Evangélico, me confidenciou que ficava embaraçado quando tinha de comentar o texto do Velho Testamento relativo ao versículo 28, do Capítulo I, do livro de Samuel. Segundo suas próprias palavras, ele considerava o fato relatado nesse texto como a primeira Sessão Espírita da Bíblia.
Ao chegar em casa, fui pesquisar o assunto no Velho Testamento, e me deparei com o fato ocorrido com o rei Saul, após a morte de Samuel, seu protetor e conselheiro.
Vale esclarecer que o povo judeu resolveu dar aos seus dirigentes máximos o título e a condição de rei, numa tentativa de acabar com os desmandos, os conflitos de autoridade e a consequente desarmonia política e social. Acontece que o rei Saul, ante a contingência de lutar contra os filisteus, adversários tradicionais dos judeus, teve medo. Sua primeira providência foi consultar Javé, Deus de Israel, isto é, orou a Deus pedindo socorro.
Mas não conseguiu nada, conforme registra ‘I Samuel 28:6: “(…) Javé não lhe respondeu nem por sonhos, nem pelo urim, nem pelos profetas”. Urim seria um fenômeno mediúnico de efeitos físicos, utilizado pelos espíritos manifestantes, tal como ainda hoje o fazem com a prancheta ou com um copinho que desliza dentro de um círculo de letras.

A CONSULTA AO MORTO

Porém, sabendo que os mortos podiam ser consultados, foi informado pelos seus comandados de que ali perto, em Endor, havia uma pitonisa, isto é, uma médium através da qual ele poderia se aconselhar com os espíritos para tomar a decisão de lutar contra os filisteus, ou recuar se fosse o caso. Acontece que ele mesmo havia determinado a expulsão de todos os médiuns do país.
Diante disso, Saul disfarçou-se e saiu incógnito. Chegando à noite na casa da médium, disse-lhe que precisava falar com os “mortos”.
A pobre senhora procurou recusar o consulente, devido à severa proibição determinada pelo próprio Saul. Embora desconfiada, perguntou-lhe com quem ele queria falar, ao que ele respondeu: “Chame Samuel”. Ao cair em transe, à médium de Endor de pronto verificou que ele tentara enganá-la e passou-lhe uma descompostura, pois na realidade se tratava o tempo todo do próprio rei Saul, a pedir ajuda para falar com os espíritos.
Nesse momento, o espírito Samuel, materializado, estende as mãos acolhedoras a Saul, e pergunta a razão da sua evocação. Emocionado, Saul diz então: “É que estou em grande angústia. Os filisteus guerreiam contra mim. Deus se afastou de mim, não me responde mais, então vim te chamar para que me digas o que tenho de fazer”.

ORIENTAÇÃO DE SAMUEL

Segundo o espírito Humberto de Campos, pelo médium Chico Xavier, no livro Lázaro Redivivo, o espírito materializado de Samuel, afagando a cabeça de Saul, falou comovido:
“Volta então ao povo de Israel, desarma o nosso exército e dize à nação que o nosso orgulho racial é um erro nefasto e profundo, diante da morte, inevitável para todos. Notifica as doze tribos de que nossas guerras e atritos com os vizinhos são malditas ilusões que nos agravam as responsabilidades, diante do Deus Altíssimo. Cientifica-os de que a morte ensinou a mim, último juiz dos israelitas, as mais estranhas revelações.
O Senhor supremo não está em nossa arca de substância perecível do mundo, que não passa de mero símbolo, respeitável embora… Onde teremos buscado tanta audácia para nos julgarmos privilegiados do Eterno? Que espíritos satânicos penetraram nossos lares, para odiarmos o trabalho pacífico, entregando-nos ao mons­tro da guerra, que espalha a fome, a peste e a desolação?
E verdade que os nossos antepassados muito sofreram nas perseguições da Babilônia e no cativeiro do Egito, mas também é inegável que nunca soubemos valorizar os favores e as graças de Jeová, o Pai magnificente. Reajustando agora os meus conhecimentos pelas imposições do sepulcro, eu mesmo, que cultivava a Justiça e supunha servir ao Senhor, compreendo quanto me afastei das vozes espirituais que nos induziam ao escrupuloso cumprimento da Lei.
Sou hoje obrigado a socorrer os nossos armadores e frecheiros, guerrilheiros e pajens de armas, que choram e sofrem junto de mim e aos quais ajudei na matança. Volta, pois, Saul, enquanto é tempo, e ensina aos nossos a realidade dura e angustiosa. Explica-lhes que os filisteus são também filhos do Altíssimo e que, ao invés de nos odiarmos, é imprescindível nos amemos uns aos outros, auxiliando-nos reciprocamente, como irmãos. Os lares de Jerusalém não são melhores que os de Ascalão. Vai, e ensina ao nosso povo uma vida nova! Faze que os instrumentos destruidores do extermínio se voltem para o trabalho pacífico e abençoado no solo da Terra!”.

RECUSA DO CONSELHO

Saul soluçava, de joelhos. Como aceitar os con­selhos inesperados e humilhantes? Não se sentia com a força precisa para recuar. Buscava orientação para a vi­tória na batalha e o juiz inesquecível de Israel voltava do misterioso reino da morte para induzi-lo à submissão?
Saul, porém, diante de sua rebeldia em não aceitar os conselhos inesperados para não guerrear, ouviu a seguinte profecia do espírito Samuel: “Amanhã mesmo serás recolhido pela morte com os teus filhos” (na Bíblia: I Samuel: 28). E foi o que aconteceu. Deixando de acatar o bom conselho de Samuel, dado em nome do Senhor, Saul morreu na batalha contra os filisteus junto com seus filhos, a fim de aprender com a morte as sagradas lições da vida.
Fonte: (Gerson Simões Monteiro) - Jornal Correio Espírita



A BIBLIA É INSPIRADA? Parte 4 - Luciano Ribeiro

Se a Bíblia é um livro inspirado, por que as casas publicadoras vivem fazendo revisões e mais revisões, correções e mais correções, atualizações e mais atualizações?
Estariam consertando os erros de Deus? Deus deveria ter escrito de forma clara e objetiva para não gerar tantas interpretações diferentes. Se Ele quis revelar suas leis na Bíblia, por que deixou surgir o Alcorão, o Zend-Avesta, o Upanishads, como livros sagrados muito antes dela? E por que restringiu essas leis somente aos judeus?
Não nos restam dúvidas de que as citações do AT nunca foram pronunciadas pela maior fonte de sabedoria do universo, mas por homens imperfeitos e supersticiosos que não tinham a mínima noção de ciências naturais, além de terem uma visão de mundo muito estreita.
Uma coisa é certa: a Bíblia é um livro que qualquer um pode usar qualquer versículo para defender qualquer ideia, seja ela boa ou ruim, certa ou errada. É por causa dessa pedagogia de teólogos ignaros, que os fiéis se acham mesmo superiores aos outros pelo que acreditam, intitulando-se "filhos de Deus", sempre deixando claro que o resto da humanidade, que não crê como eles, não passa de "criaturas de Deus", mas não filhos como eles o são; e essa distinção é feita por causa da crença religiosa irracional, causadora do fanatismo e do sectarismo.
Mas, por tudo isso é fácil entender o motivo de sustentarem esses absurdos. Se um líder reconhecer apenas um erro na Bíblia ela estará toda minada; então a religião ficará desacreditada; uma vez caindo no descrédito, as igrejas fecharão suas portas e seus líderes não terão do que viver. É por isso que se sustenta essa ideia de inspiração que não resiste à menor análise.
A afirmativa de que a Bíblia é inspirada ou a “palavra de Deus”, foi uma forma usada para dominar um povo simples e ignorante, fazendo-o acreditar na existência dum deus punitivo como Jeová dos exércitos; com isso, as pessoas passavam a ser subservientes ao poder teocrático. Hoje temos como exemplos dois regimes desse tipo: o do Vaticano, regido pela Igreja Católica e tendo como chefe-de-Estado o Papa; e o Irã, que é controlado pelos Aiatolás, líderes religiosos islâmicos, desde a Revolução Islâmica em 1979.
Como os líderes podem argumentar que os fatos científicos falsos da Bíblia citados acima são inspirados por Deus? Além disso, os fiéis ou fingem que acreditam ou não aprenderam a pensar e não conseguem concordar ou discordar dessas discrepâncias.
E por que eles não conseguem enxergar que suas estimadas doutrinas estão repletas de erros e contradições? Medo? Contudo, esta analise demonstra que a Bíblia não foi inspirada por Deus, o que abala a sua autoridade inquestionável absoluta que os pregadores esperam favorecer.
Lembremos que o iluminismo foi uma corrente filosófica puramente racionalista, grandes nomes da história fizeram parte desse movimento cultural que tinha por objetivo aumentar para todas as camadas sociais o saber e melhoramento e progresso para todos, mas o saber era privilégio de uma elite eclesiástica, de uma sociedade fechada, que deveria ser instrumento para todos. Mas a igreja preferiu manter o povo sob domínio e na ignorância.
As manifestações ocorridas no iluminismo em busca de um progresso era um ponto importante, o iluminista defendia que a razão é a base para chegar a um conhecimento seguro. Descartes afirmava que a dúvida metódica, racional, pode-se chegar a compreensão até mesmo de Deus. Rousseau também afirmava que a razão pode chegar a uma concepção de Deus mais pura e verdadeira do que aquela apresentada pelas religiões, que criou o Deus antropomorfo.
Aqui, encerramos nossa crítica em respeito a inteligência do leitor, mas poderíamos mostrar muito mais coisas ridículas e absurdas; agora, cabe a cada um fazer o livre exame. Acreditamos que os questionamentos podem quebrar paradigmas instituídos ao longo dos séculos que não exprimem a verdade. Toda a ideia seja religiosa, filosófica ou cientifica, precisa passar pelo crivo da razão para testar sua veracidade; mas isso o senso comum não faz; porém nós o fazemos, para todas as coisas de nossa vida.
O leitor inteligente percebeu que a Bíblia está totalmente em Xeque, sendo reprovada sumariamente nos quistos ciências naturais, astronomia, geografia, princípios de higiene e inspiração divina. Por este motivo não devemos deixar os outros dizer no que temos de acreditar, pois muitos desejam que fiquemos na ignorância na qual eles se encontram. O artigo serve para todas as pessoas de qualquer credo, filosofia ou pensamento, que possuem consciência do certo e do errado, pois o princípio da crítica vale para todos os momentos e situações de nossa vida.
Luciano Ribeiro




A BIBLIA É INSPIRADA? Parte 3 - Luciano Ribeiro



Alguns questionamentos que o senso comum jamais formula:



Por que devemos aceitar os erros pela fé se pelo raciocínio continua sendo erro?

Por que devemos aceitar tudo cegamente só porque um homem disse que os textos são inspirados?

E os homens que criaram o Cânone eram tão bem qualificados quanto os especialistas de hoje?

E por que a opinião deles vale mais do que a nossa?

Não podemos pensar por nós mesmos? Como um homem pode estabelecer a inspiração de outro?

Como um homem inspirado pode provar que está inspirado?

Como ele próprio sabe que está inspirado?

O que é inspiração?

Deus usa homens como instrumentos?

Será que fez com que escrevessem seus pensamentos?
Tomou posse de suas mentes e suprimiu suas vontades de modo a sobressair a Sua?
Esses escritores estavam apenas parcialmente controlados; daí seus equívocos, sua ignorância e seus preconceitos estarem misturados com a sabedoria de Deus...
Como podemos distinguir os erros do homem daquilo que é realmente pensamento de Deus?
Podemos fazê-lo sem estarmos inspirados? Se os autores estavam inspirados, então os tradutores também deveriam estar, assim como os intérpretes da Bíblia para que a integridade dos textos fosse preservada.
Como é possível a um ser humano ter consciência de que está inspirado por um ser infinito? Quais os critérios adotados para identificar uma inspiração? Mas, de uma coisa podemos ter certeza: um livro inspirado certamente deve ser superior a quaisquer outros livros produzidos por homens não inspirado e, acima de tudo, ser verdadeiro, repleto de sabedoria, prosperidade e beleza, além de ser perfeito.
Será que o Criador das galáxias, nebulosas, cometas e todo o universo infinito, escolheu a Terra justamente numa época que era habitada por seres semisselvagens e selecionar meia dúzia de homens atrasados que viviam sujos e esfarrapados para lhes inspirar alguma coisa? Se uma árvore me inspirar a escrever um poema sobre ela, aquele poema são palavras minhas ou palavras da árvore? Ademais, inspiração não é o inspirador.
“Quem quer que afirme a verdade de forma absoluta, sem a suspensão da dúvida, está destinado ao dogmatismo e à intolerância. Onde quer que a verdade seja afirmada como posse, proíbe-se o exercício livre da razão, no chamado “livre exame”.
Todo aquele que possui a verdade, está condenado a ser um inquisidor”
Se Deus inspirou homens pouco inteligentes ensinando-os como escravizar pessoas, a matar crianças por que ele hoje não inspira os cientistas para que descubram novas vacinas? Por que não inspira os que se dedicam uma vida inteira de trabalho num laboratório para encontrar a cura da aids, do mal de Parkinson ou do Alzheimer? Por que não inspira os árabes para terminar com a guerra santa? Não é estranho o deus bíblico se preocupar com coisas tão mesquinhas e deixar as mais importantes de lado?
Até hoje nenhuma instituição religiosa apresentou um tratado, um registro, um critério lógico para justificar essa inspiração; apenas dizem que é inspirada e pronto!
Nem os dez mandamentos é coisa original; seus princípios tinham sido divulgados em 1.700 a.C, pelo rei Hamurábi da Mesopotâmia, conhecido como "código de Hamurábi"; Não é muita ingenuidade acreditar de forma literal que Deus levou 40 dias e 40 noites para cunhar as duas tabuinhas da lei, coisa que qualquer escultor faria com uma hora de serviço, ou pouco mais...
Então que revelação foi esta se tudo já existia muito antes da Bíblia ser escrita? Veja o segundo mandamento; Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu. Que ensinamento moral pode ter este mandamento?
Agora veja o terceiro; “Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão”. Que mal Deus poderá fazer com seu filho se por alguma imperfeição humana for usado o nome dele? O quarto mandamento é sem pé nem cabeça; “guardará o dia de sábado”. Quem guarda o sábado senão judeus e adventistas? Ora, quem não sabe que isso é resultado da cultura judaica? Ninguém guarda esse dia e nem dia nenhum. Se esse livro fosse inspirado, Deus teria dispensado vários mandamentos sem sentido, e em seu lugar diria: "Não escravizarás o teu próximo".
Uma coisa é certa, uma mentira dita insistentemente um dia acaba se tornando uma falsa verdade, em virtude da eliminação das gerações presentes à ocorrência dos fatos posteriormente “transformados” em verdade. Nos Dez Mandamentos todas as ideias boas são antigas; todas as novas são tolas.
Teria deixado de lado a condenação sobre criar imagens esculpidas, e diria: "Não provocarás guerras de extermínio e não desembainharás tua espada senão em legítima defesa". No passado, todos que discordassem da maioria eram apedrejados até a morte. Investigar, era um crime.
Maridos eram obrigados a denunciar e ajudar no assassinato de suas esposas descrentes. Como pode um livro que dizem ser inspirado ser inimigo da arte? "Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra": esta foi a morte da arte (Êxodo 20:4). A Palestina jamais produziu um pintor, senão o contemporâneo Ismaïl Shammut. Mas não se conhece nenhum escultor palestino.
 

A BIBLIA É INSPIRADA? Parte 2 - Luciano Ribeiro

Será que o Velho Testamento satisfaz esses quesitos?
Como pode Deus criar o mundo e ainda conferir para ver se estava bom (Gn 1:10), bem como afirmar que a Terra tem quatro cantos (Apol.7:1), cujo escritor demonstra não ter a menor noção da esfericidade do planeta. Depois de criar os animais, Deus inspira o homem a dizer que o morcego é uma ave (Lv 11:13), que as lebres ruminam (Lv 11:6) e que os insetos possuem pés (Lv 11:23), e que as cobras comem pó (Gn 3:14). Cobras nunca comem pó!
Agora observe essa citação; “E o que comeres será como bolos de cevada, e cozê-los-ás sobre o esterco que sai do homem, diante dos olhos deles. E disse o SENHOR: Assim comerão os filhos de Israel o seu pão imundo, entre os gentios para onde os lançarei (Ezq. 412,13). Tem certeza que tudo isso foi inspiração divina?
No livro do Gênesis o “próprio” Deus afirma que a Lua tem luz própria (Gn 1:16). No livro dos Salmos se diz que os ventos são guardados em reservatórios (Salmos 135:7). Reservatórios?!!!
Como pode um livro divinamente inspirado e infalível conter fatos científicos falsos como estes?
Se houve inspiração por que Deus não aboliu a escravidão considerando-a como imoral? Mas não o fez! Por que não inspirou os autores desse livro com a finalidade de instruir o mundo sobre astronomia, geologia ou qualquer ciência? Os fundamentalistas odeiam a ciência; é só falar de Charles Darwin, por exemplo. O Deus bíblico se preocupou em instruir seu “povo eleito” em detalhes sobre a maneira de manter escravos e de sacrificar diversos animais; e como pôde dizer que os pecados das pessoas podem ser transferidos a um bode? Um Deus civilizado sujaria seu altar com o sangue de bois, ovelhas e pombas? Transformaria todos sacerdotes em verdadeiros açougueiros? Deliciar-se-ia com o odor de gordura queimada (Lv 2,9)?
E o que devemos pensar do fato de que, ao encerrar seu tratado, Deus não conseguiu pensar em nenhuma atividade humana mais premente e duradoura do que cobiçar escravos e animais domésticos? E o que dizer de um Deus que faz da maternidade uma ofensa que precisa ser compensada com uma oferenda? Dá pra acreditar numa coisa dessas em pleno século XXI?


A BIBLIA É INSPIRADA? Parte 1 - Luciano Ribeiro

O presente artigo não tem como espoco a depreciação da fé alheia. Segundo a Constituição Federal, todos os homens são livres para pensar e crer naquilo que mais lhe apraz, sem distinção de credo ou filosofia. Por este motivo temos o livre direito de nos expressar, pois somos livres pensadores para expormos nossas ideias.
Não somos contra as pessoas, apenas não concordamos com as ideias retrógradas que obstruem o desenvolvimento do intelecto. Não nos importamos com o que os opositores falem, mas antes de fazê-lo, faz-se mister ler e refletir, ainda que posteriormente discorde do nosso ponto de vista, este é um direito inalienável do ser humano que exerce seu pleno direito de pensar.
 Somente por volta século III afirmou-se ou creu-se que os livros constituintes do Novo Testamento eram inspirados; mas isso não nos parece verdade, pelo menos dentro de um conceito cientifico e racional. Os protestantes aceitaram essa ideia apenas em 1657, na Assembleia de Westminster. Mas, com uma leitura atenciosa, notaremos que a própria Bíblia desmente essa inspiração.
No livro II de Timóteo lemos: "Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça;" (II Timóteo 3,16). Ora, se esta citação consta no Novo Testamento, o autor só poderia estar se referindo ao Antigo Testamento, pois o Novo ainda não existia.
Se a Bíblia fosse inspirada por Deus, deveria:
a) ser um livro que nenhum outro homem pudesse escrever, além de conter a perfeição da filosofia;
b) estar totalmente de acordo com cada fato da natureza, sem os erros em astronomia, geologia ou em quaisquer outros assuntos ou ciências;
c) seus ensinamentos tinham que ser totalmente sublimes e puros;
d) suas leis e suas regras, para controle de conduta, deveriam ser justas, sábias, perfeitas e adequadas aos fins visados;
e) não conter quaisquer coisas que tornassem o homem cruel, vingativo ou infame;
f) estar repleta de inteligência, de justiça, de pureza, de honestidade, de clemência e de espírito de liberdade;
g) teria que se opor à contenda, à guerra, à escravidão, à cobiça, à ignorância, à credulidade e à superstição;
h) incentivaria a todos desenvolver o intelecto e civilizar o coração;
i) satisfaria o coração e a mente dos melhores e dos mais sábios;
j) ser inquestionavelmente verdadeira.


Jeová dá lições sobre formas de mediunidade


Jeová ou lave, o Deus de Israel, como já vimos anteriormente, era o Espírito Guia do Povo Hebreu. Para os povos antigos, os Espíritos eram Deuses, e o Deus de cada povo era a Divindade Suprema. Esse o motivo por que Jeová se apresentava ao seu povo como se fosse o próprio Deus único. E como se apresentava ele? Através da mediunidade, ensinando aos homens rudes do tempo as verdades espirituais que deveriam frutificar no futuro. É por isso que encontramos, nas páginas da Bíblia, não só o relato de fenômenos espíritas ocorridos com o povo hebreu, mas também ensinamentos precisos e claros sobre a mediunidade.
Logo após os episódios que comentamos, com fenômenos de materialização e de comunicações, o Livro dos Médiuns fornece-nos outros, em que vemos Jeová ensinar que a mediunidade tem várias formas, como o ensina hoje o Espiritismo. A Bíblia está cheia desses ensinos, que só não vêem os cegos ou os que não querem ver. Basta o leitor ler a Bíblia, de qualquer tradução, católica ou protestante, no Livro de Números, capítulo XII. Pode ler todo o capítulo, ou apenas os versículos 5 a 8. Nestes versículos, Jeová dá aos hebreus uma das lições que só muito mais tarde apareceria de novo, mas então no Livro dos Médiuns, de Allan Kardec. Vejamo-la.
Miriam e Aarão falavam mal de Moisés, por haver ele tomado uma nova mulher, de origem cusita (era a mulher negra de Moisés). Ora, Jeová não gostou disso e subitamente “desceu da nuvem”, para repreende-los. Descer da nuvem é materializar-se, pois a nuvem é simplesmente a formação de ectoplasma, como a Bíblia deixa bem claro nos seus relatos. Imagina-se o Senhor do Universo, o Deus-Pai do Evangelho, fazendo esse papel de alcoviteiro! Seria absurdo tomarmos esse Jeová, sempre imiscuído nos assuntos domésticos, pelo próprio Deus! Como espírito-guia, podemos compreendê-lo. E é como espírito-guia que ele repreende os maldizentes, castiga Miriam, mas antes ensina:
Primeiro, diz ele que pode manifestar-se aos profetas (-médiuns) por meio de visão (da vidência) ou de sonhos. Depois, lembrando que Moisés é o seu instrumento para direção do povo, esclareceu: “Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa”, acrescenta: “Boca a boca fale com ele, claramente, e não por enigmas”. Cinco formas da mediunidade figuram no ensino bíblico: I) a de vidência; 2) a de desprendimento, ou sonambúlica; 3) a de materialização; 4) a de voz-direta; e 5) a de audiência. O próprio Jeová ensinava a mediunidade, como o apóstolo Paulo, em l Coríntios, ensinaria mais tarde a fazer uma sessão mediúnica.
 Jeová ou lave, o Deus de Israel, como já vimos anteriormente, era o Espírito Guia do Povo Hebreu. Para os povos antigos, os Espíritos eram Deuses, e o Deus de cada povo era a Divindade Suprema. Esse o motivo por que Jeová se apresentava ao seu povo como se fosse o próprio Deus único. E como se apresentava ele? Através da mediunidade, ensinando aos homens rudes do tempo as verdades espirituais que deveriam frutificar no futuro. É por isso que encontramos, nas páginas da Bíblia, não só o relato de fenômenos espíritas ocorridos com o povo hebreu, mas também ensinamentos precisos e claros sobre a mediunidade.

Logo após os episódios que comentamos, com fenômenos de materialização e de comunicações, o Livro dos Médiuns fornece-nos outros, em que vemos Jeová ensinar que a mediunidade tem várias formas, como o ensina hoje o Espiritismo. A Bíblia está cheia desses ensinos, que só não vêem os cegos ou os que não querem ver. Basta o leitor ler a Bíblia, de qualquer tradução, católica ou protestante, no Livro de Números, capítulo XII. Pode ler todo o capítulo, ou apenas os versículos 5 a 8. Nestes versículos, Jeová dá aos hebreus uma das lições que só muito mais tarde apareceria de novo, mas então no Livro dos Médiuns, de Allan Kardec. Vejamo-la.
Miriam e Aarão falavam mal de Moisés, por haver ele tomado uma nova mulher, de origem cusita (era a mulher negra de Moisés). Ora, Jeová não gostou disso e subitamente “desceu da nuvem”, para repreende-los. Descer da nuvem é materializar-se, pois a nuvem é simplesmente a formação de ectoplasma, como a Bíblia deixa bem claro nos seus relatos. Imagina-se o Senhor do Universo, o Deus-Pai do Evangelho, fazendo esse papel de alcoviteiro! Seria absurdo tomarmos esse Jeová, sempre imiscuído nos assuntos domésticos, pelo próprio Deus! Como espírito-guia, podemos compreendê-lo. E é como espírito-guia que ele repreende os maldizentes, castiga Miriam, mas antes ensina:
Primeiro, diz ele que pode manifestar-se aos profetas (-médiuns) por meio de visão (da vidência) ou de sonhos. Depois, lembrando que Moisés é o seu instrumento para direção do povo, esclareceu: “Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa”, acrescenta: “Boca a boca fale com ele, claramente, e não por enigmas”. Cinco formas da mediunidade figuram no ensino bíblico: I) a de vidência; 2) a de desprendimento, ou sonambúlica; 3) a de materialização; 4) a de voz-direta; e 5) a de audiência. O próprio Jeová ensinava a mediunidade, como o apóstolo Paulo, em l Coríntios, ensinaria mais tarde a fazer uma sessão mediúnica.


Como os Homens Conseguem Amoldar a Palavra de Deus


Entre as curiosas contradições dos que aceitam a Bíblia como a palavra de Deus, podemos citar o caso das alterações do texto, com a finalidade de adaptá-lo a interesses sectários. Essas alterações vêm de longe e constituem um dos campos mais interessantes dos estudos bíblicos. Kardec menciona, no capítulo quarto de O Evangelho Segundo o Espiritismo, uma referência livre de Jó à reencarnação, que aparece modificada na tradução católica de Sacy (francesa), na tradução protestante de Osterwald e na tradução da Igreja Ortodoxa Grega. Nesta última, que é a mais próxima do texto original, o princípio da reencarnação está evidente.
Outra citação de Kardec, no mesmo capítulo, é de Isaías (Cap. 26, vers. 19) em que a expressão bíblica é bastante clara: “os teus mortos viverão; os meus, a quem deram vida, ressuscitarão”. Essa passagem, como outras, é adaptada nas traduções, para esconder a crença dos profetas na reencarnação. O texto de Jó (Cap. 15, vers. 10-14), aparece desta maneira na versão grega ortodoxa: “Quando o homem está morto, vive sempre; findando-se os dias da minha existência terrestre, esperarei, porque a ela voltarei novamente”.
Temos aí uma síntese admirável do princípio da reencarnação, de pleno acordo com o Espiritismo: morto o homem, não fica enterrado, mas ressuscita no corpo espiritual, como ensina o apóstolo Paulo. Ressuscitado, espera no mundo espiritual o momento de voltar à vida terrena, a fim de prosseguir no seu desenvolvimento. Todas as alterações, como se vê, caem fragorosamente diante dos estudos críticos da Bíblia, que revelam o verdadeiro sentido dos textos desfigurantes. E cada alteração corrigida mostra que os textos originais confirmam os princípios do Espiritismo.
Mas as alterações não se deram apenas no passado. Dão-se agora mesmo, aos nossos olhos. Examine o leitor a última edição da Bíblia feita pela Sociedade Bíblica do Brasil e impressa em São Paulo, nas oficinas da “Impress”. A tradução portuguesa é a clássica, de João Ferreira de Almeida, mas “revista e atualizada no Brasil”. A revisão implicou a mudança de palavras, às vezes com a finalidade de enquadrar o Espiritismo nas condenações bíblicas às práticas da antiga magia. É assim que, em l Samuel, como título do Cap. 28, encontramos o seguinte: “Saul consulta a médium de En-Dor”. E também no texto a palavra espírita “-médium” foi incluída. Mas no Cap. 18 de Deuteronômio foram conservadas as expressões antigas: “adivinhos e feiticeiros”. Que diria disso o bom padre Almeida? Como se vê, a palavra de Deus é moldada pelos homens, conforme as suas conveniências.


  Expressões e Palavras Desfiguradas na Bíblia


Estamos vivendo uma fase de intensa reformulação dos textos bíblicos. A “Palavra de Deus” vem sendo alterada, modificada e muitas vezes arranjada, de acordo com os interesses dos homens. Já existe mesmo uma tradução da Bíblia que se diz aceitável pelos materialistas. A velha discussão sobre a Vulgata Latina levou os novos tradutores a recorrerem ao texto hebraico.
A tradução clássica do padre Figueiredo, segundo a Vulgata, é acusada de suspeitas, preferindo-se a do padre Almeida, que como vimos, também já foi modificada. O religioso esclarecido sabe muito bem que as versões antigas da Bíblia estão superadas.
Mas há os que nada entendem e consideram o velho livro como intocável e imutável. Esses acreditam cegamente nas pretensas condenações ao Espiritismo. Para eles, só podemos repetir as palavras de Jerônimo de Praga, quando uma velhinha beata levou mais uma acha de lenha para a fogueira em que o queimaram: “Sancta Simplicitas”.
A tradução dinamarquesa da Bíblia não trata dos dons espirituais. O teólogo Haraldur Nielsson explica-nos a razão dessa aparente discrepância. Pasmem os defensores do dogma da graça, que consideram Deus como chefe do partido a que pertencem! O tradutor categorizado da Bíblia para o islandês, o rev. Nielsson, que fez a tradução a serviço da Sociedade Bíblica Inglesa, declara: “No texto grego está a palavra Espíritos e não a expressão Dons Espirituais”. E acrescenta: “Em muitas traduções da Bíblia, esta passagem foi verificada de maneira confusa apesar de não haver a menor dúvida quanto à verdadeira significação dos termos gregos do texto original: “epei zelotai este pneumaten”.
Nielsson adverte ainda que os tradutores e revisores da Bíblia nem sempre tiveram a coragem de traduzir com exatidão os textos originais que se referem claramente à comunicação dos Espíritos. E faz, corretamente, uma grave denúncia: “Os teólogos prenderam os seus sistemas em pesadas e estreitas cadeias”. A Bíblia, estudada segundo o espírito que vivifica, sem os prejuízos da letra que mata, revela a sua face espirítica e por tanto mediúnica, como o demonstra o rev. Nielsson e como afirmou Kardec. Trataremos mais amplamente dos Dons Espirituais.

Como os Apóstolos Faziam suas Sessões Espíritas


Qual era o culto dos cristãos na Igreja Primitiva? Que responda o apóstolo Paulo, na l Epístola aos Coríntios.
Nas suas instruções para a celebração da ceia, (XI: 17-34), Paulo nos mostra que esta era simbólica e memorial. Não se tratava propriamente de uma ceia, mas de uma cerimônia religiosa, e os participantes já deviam ter tomado em casa o seu alimento, para não perturbarem a reunião. Comia-se o pão e bebia-se o vinho.
Um pequeno pedaço de pão e uma pequena taça de vinho, em memória do Senhor. Veja-se a advertência do vers. 34: “Se alguém tem fome, coma em casa, a fim de não vos reunirdes para juízo”.
A cerimônia simbólica de pão e de vinho não era privativa dos cristãos. Os próprios cananitas a usavam, a ceia maçônica primitiva se constituía dela, e as religiões idólatras a praticavam para os pagãos; o pão representava a deusa Ceres e o vinho o deus Dionísio.
Para os cristãos, o pão representava a matéria e o vinho o espírito. A união do espírito com a matéria produzia a “comunhão”, que tanto pode ser a encarnação do espírito quanto a incorporação, o nascimento do ser humano ou a união de espírito como o profeta para a transmissão da comunicação mediúnica.
Os profetas eram chamados “pneumáticos”, na expressão grega do texto, que quer dizer: cheios de espírito. Havia dois tipos de espíritos: os de Deus, que eram bons, e os do Mundo, que eram maus. A respeito das comunicações, Paulo é incisivo:
“A manifestação do espírito é concedida a cada um, visando a um fim proveitoso”.
Reunidos os pneumáticos à mesa, em ordem, não se devia permitir o tumulto. Paulo avisa: “Tratando-se de profetas, falem apenas dois ou três, e os outros julguem”. Do Cap. XI ao XIV, Paulo ensina como se fazia a reunião “pneumática” da Igreja Primitiva, e essas regras são as mesmas das sessões mediúnicas de hoje.
O dogmatismo desfigurou a pureza do texto, através de interpretações errôneas ou capciosas. Mas, apesar disso, o texto conserva o sentido verdadeiro, mesmo nas traduções atualizadas.
As citações acima são da tradução de Almeida, na recente edição da Sociedade Bíblica do Brasil, na qual foi introduzida a palavra “médium”. O estudo das expressões de Paulo nessa epístola, à luz dos estudos históricos e em confronto com todo o contexto escriturístico, mostra que os apóstolos e os cristãos primitivos faziam sessões espíritas.
E mostra mais: que nessas sessões, como nas atuais, manifestavam-se espíritos bons e maus; aqueles, dando instruções e estes, necessitando de orientação espiritual. Para esconder sua verdade, foram necessárias as “pesadas e estreitas cadeias” de que fala o rev. Haraldur Nielsson em seu livro O Espiritismo e a Igreja.

Deuteronômio confirma a Mediunidade de Moisés


Quem conhece o Deuteronômio, livro Bíblico sempre citado contra o Espiritismo, sabe que os seus melhores episódios são de ordem declaradamente mediúnica. O próprio Moisés é constantemente citado como “mediador entre Deus e o povo”. A palavra “médium” é moderna, mas quer dizer o mesmo que “mediador”.
A modernização dos textos bíblicos, feita por várias igrejas, chegou a incluir a palavra “médium” numa tradução clássica da nossa língua, mas somente quando aplicada para combater o Espiritismo. 
Nenhum revisor sagrado das nossas traduções clássicas foi capaz da necessária coerência, substituindo a palavra “mediador”, que se refere a Moisés, pela “perigosa” palavrinha espírita. Mas o leitor perspicaz, mesmo que não seja espírita, logo percebe a manobra.
O capítulo V do Deuteronômio é inteiramente mediúnico. Mas convém lembrar que os sucessos desse capítulo são melhor compreendidos quando lemos o Êxodo, caps. 18 a 20. Nos versículos 13a 16, do Cap. 18, vemos Moisés diante do povo, para ser o mediador, o intérprete, – mas na verdade o médium, entre Deus e o povo.
Nos versículos 22 a 31, Cap. X do Deuteronômio, temos uma bonita descrição de conhecidos fenômenos mediúnicos: o monte Horebe envolto em chamas, a nuvem de fluidos ectoplásmicos (materializantes), e a voz-direta de Jeová, que falava do meio do fogo, sem se apresentar ao povo.
E Moisés, como sempre, servindo de intermediário, na sua função mediúnica. Por fim, Jeová recomenda a Moisés que mande o povo embora, mas permaneça com ele, para receber as demais instruções. (Vers. 31, Cap. 5 de Deut.).
No famoso Cap. 18 de Deuteronômio, tão citado contra o Espiritismo, logo após os versículos das proibições, temos a promessa de Jeová, de que suscitará um grande profeta para auxiliar e orientar o povo. Como fazia com Moisés, o próprio Jeová promete que porá as suas palavras na boca desse novo médium.
Não obstante, sabendo que todo médium está sujeito a envaidecer-se e dar entrada a espíritos perturbadores, Jeová determina que o profeta seja morto: “se falar em nome de outros deuses”.
Esta passagem (vers. 20 do Cap. XVIII) é uma confirmação bíblica do ensino espírita de que, naquele tempo, os espíritos eram chamados “deuses”. Jeová era espírito-guia do povo hebreu, e por isso considerado como o seu deus, o único verdadeiro.
Mas os profetas de Jeová podiam receber outros deuses, como Baal, Apoio ou Zeus, pelo que a proibição bíblica nesse sentido é terrível e desumana, como podemos ver nos textos. A evolução espiritual do povo hebreu permitiria a Jesus vir corrigir esses abusos e substituir a concepção bárbara de Deus dos Exércitos pela concepção evangélica do Deus-Pai, cheio de amor com todas as criaturas.




A Visão Espírita da Bíblia (Parte 2)




O que falta aos acusadores do Espiritismo é estudo. Se pusessem o seu dogmatismo de lado e estudassem um pouco, haveriam de compreender essas coisas. A Bíblia foi inspirada pelos Espíritos, como mensageiros de Deus, no tocante aos seus livros proféticos, que chamamos de mediúnicos. Os livros históricos e de legislação civil receberam também a colaboração dos Espíritos. A Bíblia, pois, é um livro mediúnico que não pode condenar o Espiritismo, pois estaria condenando a si mesma.

Assim sendo, o Espiritismo tem como base as Escrituras, tem seus fundamentos na Bíblia. Mas é claro que o conceito espírita da Bíblia não pode ser igual ao das religiões que ficaram no passado, apegadas às formas sacramentais de magia, aos ritos materiais e aos cultos exteriores do próprio paganismo.

A Bíblia não pode ser, para o espírita esclarecido, a “palavra de Deus”, pois é um livro escrito pelos homens, como todos os outros livros, e é, principalmente, um conjunto de livros em que encontramos de tudo, desde as regras simplórias de higiene dos judeus primitivos até as lendas e tradições do povo hebreu, misturadas às heranças dos egípcios e babilônios. O Espiritismo ensina a encarar a Bíblia como um marco da evolução religiosa na Terra, mas não faz dela um novo bezerro de ouro.

Penso que nós, espíritas, temos o dever de analisar as coisas de maneira serena e compreensiva, pois foi a lição de Kardec e esse é o espírito da nossa doutrina. Sim, porque o Espiritismo não é uma doutrina dogmática, de postulados rígidos, mas uma doutrina evolutiva e amplamente compreensiva, que procura entender a vida em todas as suas manifestações, entendendo, portanto, o processo geral da evolução humana.

Há espíritas que condenam a Psicanálise, o Darwinismo, o Existencialismo, e outras doutrinas científicas e filosóficas, numa atitude fechada de fanáticos religiosos, sem procurarem compreender a razão de ser dessas doutrinas e o que elas representam no imenso esforço do homem para interpretar o mundo e a vida. Há outros que condenam a Bíblia, como há os que condenam os próprios Evangelhos, e ainda os que condenam o Cristianismo, afirmando que o Espiritismo nada tem a ver com ele.

Todas essas atitudes dogmáticas discordam daquilo que chamamos o espírito da doutrina. O Espiritismo não condena: explica. E, explicando, justifica os erros humanos, procurando corrigi-los pela compreensão e não pela coação.

No tocante à Bíblia, é o que podemos ver em Kardec. A Bíblia é para ele um livro de grande importância histórica, pois representa a codificação da I Revelação. A seguir, vêm os Evangelhos, que são a codificação da II Revelação. E depois, como sabemos, O Livro dos Espíritos e as obras que o completam, formando a codificação do Espiritismo. Todo um processo histórico está representado nessa trilogia.

Citemos um trecho esclarecedor de Kardec em A Gênese. Trata-se do número 6 do capítulo quatro: “A Bíblia, evidentemente, encerra fatos que a razão, desenvolvida pela ciência, não poderia hoje aceitar, e outros que parecem estranhos e derivam de costumes que já não são os nossos. Mas, a par disso, haveria parcialidade em se não reconhecer que ela encerra grandes e belas coisas. A alegoria ocupa, ali, considerável espaço, ocultando sob o seu véu sublimes verdades, que se patenteiam, desde que se desça ao âmago do pensamento, pois logo desaparece o absurdo”.

Nada se pode querer de mais claro, mais preciso e mais belo. Kardec revela a mais serena e elevada compreensão da Bíblia, e essa deve ser a nossa compreensão de espíritas em face do grande livro.

Do livro Visão Espírita da Bíblia, de José Herculano Pires
 

A Visão Espírita da Bíblia (1ª Parte)

Do livro Visão Espírita da Bíblia, de José Herculano Pires

 

A Bíblia (que o nome quer dizer simplesmente O Livro) é na verdade uma biblioteca, reunindo os livros diversos da religião hebraica. Representa a codificação da primeira revelação do ciclo do Cristianismo.
Livros escritos por vários autores estão nela colecionados, em número de 42. Foram todos escritos em hebraico e aramaico e traduzidos mais tarde para o latim, por São Jerônimo, na conhecida Vulgata Latina, no século quinto da nossa era. As igrejas católicas e protestantes reuniram a esse livro os Evangelhos de Jesus, dando a estes o nome geral de Novo Testamento.
O Evangelho, como se costuma designar o Novo Testamento, não pertence, de fato, à Bíblia. É outro livro, escrito muito mais tarde, com a reunião dos vários escritos sobre Jesus e seus ensinos. O Evangelho é a codificação da segunda revelação cristã. Traz uma nova mensagem, substituindo o deus-guerreiro da Bíblia pelo Deus-Amor do Sermão da Montanha. No Espiritismo não devemos confundir esses dois livros, mas devemos reconhecer a linha histórica e profética, a linhagem espiritual que os liga. São, portanto, dois livros distintos.
A expressão “a palavra de Deus” é de origem judaica. Foi naturalmente herdada pelo Cristianismo, que a empregou para o mesmo fim dos judeus: dar autoridade à Igreja. A Bíblia, considerada “a palavra de Deus”, reveste-se de um poder mágico: a sua simples leitura, ou simplesmente a audiência dessa leitura, pode espantar o Demônio de uma pessoa e convertê-la a Deus. Claro que o Espiritismo não aceita nem prega essa velha crendice, mas não a condena. A cada um, segundo suas convicções, desde que haja boa intenção.
O Espiritismo reconhece a ação de Deus na Bíblia, mas não pode admiti-la como “a palavra de Deus”. Na verdade, como ensinou o apóstolo Paulo, foram os mensageiros de Deus, os Espíritos, que guiaram o povo de Israel, através dos médiuns, então chamados profetas. O próprio Moisés era um médium, em constante ligação com Iave ou Jeová, o deus bíblico, violento e irascível, tão diferente do deus-pai do Evangelho.

Devemos respeitar a Bíblia no seu exato valor, mas nunca fazer dela um mito, um novo bezerro de ouro. Deus não ditou nem dita livros aos homens. Somente às religiões dogmáticas, que se apresentam como vias exclusivas de salvação, interessa o velho conceito da Bíblia como palavra de Deus. Primeiro, porque esse conceito impede a investigação livre.
Considerada como palavra de Deus, a Bíblia é indiscutível, deve ser aceita literalmente ou de acordo com a “interpretação autorizada da igreja”. Por isso, as igrejas sempre se apresentam como “autoridade única na interpretação da Bíblia”. Segundo, porque essa posição corresponde aos tempos mitológicos, ao pensamento mágico, e não à era de razão em que vivemos.
Há no meio espírita alguns críticos agressivos da Bíblia. São confrades ilustres e estudiosos, que tomam essa posição em face das agressões religiosas à Doutrina, com base nos textos bíblicos. A posição da Doutrina, porém, não é essa, como já vimos em Kardec. As supostas condenações do Espiritismo pela Bíblia decorrem das interpretações sacerdotais. A Bíblia é um dos maiores repositórios de fatos espíritas de toda bibliografia religiosa. E os textos bíblicos estão eivados de passagens tipicamente espíritas.
A Bíblia não condena o Espiritismo. Pelo contrário, a Bíblia confirma o Espiritismo. Basta lembrar o caso de Samuel, atormentado pelo espírito mau, aliviado pela mediunidade de Davi, que usava a música para afastá-lo. Caso típico de mediunidade curadora, constante de Samuel 16:14-23. E o colégio de médiuns que acompanhava Moisés no deserto? E assimpor diante, da primeira à última página da Bíblia.
Mas não pense o leitor que são os espíritas que afirmam a origem mediúnica da Bíblia. Quem afirmou foi o apóstolo Paulo, quando declarou peremptoriamente: “Vós recebestes a lei por ministérios dos anjos”, isto em Atos, 7:53, explicando ainda em Hebreus, 2:2: “Porque a lei foi anunciada pelos anjos”, e confirmando na mesma Epístola, l:14: “Espíritos são administradores, enviados para exercer o ministério”. Antes, em Hebreus, l:7, Paulo, depois de advertir que Deus havia falado de muitas maneiras aos profetas, acrescenta: “Sobre os anjos, diz: o que faz os seus anjos espíritos e os seus ministros chamas de fogo”.
O ministério dos anjos, esse ministério divino, a que o apóstolo Paulo se referiu tantas vezes, é exercido através da mediunidade.
Está claro que os anjos são espíritos, reveladores das leis de Deus aos homens, como afirma o Espiritismo. Paulo vai mais longe, afirmando em Atos 7:30-31, que Deus falou a Moisés através de um anjo na sarça ardente. Veja-se o que ficou dito acima: os anjos são espíritos, ministros de Deus, que o faz chama do fogo, nas aparições mediúnicas.
O reverendo Haraldur Nielson, em seu livro O Espiritismo e a Igreja, ele que foi o tradutor da Bíblia para o islandês, a serviço da Sociedade Bíblica Inglesa, afirma que o Cristo é muitas vezes chamado no Evangelho, no original grego, de pneuma, depois da ressurreição. E pneuma quer dizer espírito. Da mesma maneira, lembra que Paulo, em Hebreus, 12:9, refere-se a Deus como “Deus dos Espíritos”. Lembra ainda que as manifestações dos Espíritos, nas sessões que realizou com o bispo Hallgrimur Svenson em Reikjavik, eram na forma de línguas de fogo. Essas manifestações confirmavam que o anjo da sarça ardente e os fenômenos do Pentecostes foram mediúnicos.


O Espiritismo na Bíblia, de Fátima Farias

As Provas da Reencarnação (2ª parte)

Dos 23 capítulos do livro de Celestino, oito se referem à reencarnação na Bíblia. Eis algumas considerações: “O rabino Arieh Kaplan afirma que: ‘Não é possível entender a Cabalá sem acreditar na eternidade da alma e suas reencarnações’.Com o nome de ‘Transmigração das Almas’, todo o povo judeu, inclusive a corrente ortodoxa hassídica, acredita que depois da morte a Alma reencarna numa nova forma física. Aqueles judeus hassídicos característicos, de chapéus pretos, tranças (peot) e longos casacos negros são pessoas que acreditam na reencarnação. O hassidismo é uma forma de Judaísmo fundada na Polônia em meados do século XVIII pelo rabino Israel Baal Shem Tov (1700-1760) que começou sob a liderança de Dov Baer De Mejirech. Israel Baal Shem Tov extraiu elementos da Cabalá e espalhou por toda Europa oriental.
“A reencarnação é uma crença fundamental do hassidismo. Seus conceitos constam dos livros Sefer Ha-Bahir(Livro da Iluminação), primeiro livro da Cabalá judaica e do Zohar (Livro do Esplendor). Ambos os livros atribuem grande importância à doutrina da reencarnação, usada para explicar que os justos sofrem porque pecaram em uma vida anterior. Nele, o renascimento é comparado a uma vinha que deve ser replantada para que possa produzir boas uvas. A ‘Transmigração’ emprestou um significado novo a muitos aspectos da vida do povo judeu, pois o marido morto voltava literalmente à vida no filho nascido de sua mulher e seu irmão, num casamento por Levirato. A morte de crianças pequenas era menos trágica, pois elas estariam sendo punidas por pecados anteriores e renasceriam para uma vida nova. Pessoas malvadas eram felizes neste mundo por terem praticado o bem em alguma existência prévia”.
“Prosélitos do judaísmo eram almas judaicas que se haviam encarnado em corpos gentios ou pagãos. Ela também permitia o aperfeiçoamento gradual do indivíduo através de vidas diferentes. O Zohar afirma ainda que a redenção do mundo acontecerá quando cada indivíduo, através de ‘Transmigração das Almas’ (reencarnações), completar sua missão de unificação. Ele nos diz que o termo bíblico ‘gerações’ pode ser substituído por ‘encarnações’. Baseados nestes conceitos, os cabalistas desenvolveram a sua própria interpretação sobre a aliança que Deus fez com Abraão e sua semente. Deus disse: ‘Estabelecerei o meu concerto entre mim e ti, e a tua semente depois de ti, nas suas gerações, por concerto perpétuo’. Acreditavam que Deus havia feito esta aliança com a semente de Abraão não apenas por uma vida, mas por milhares de encarnações.
- E para os que não acreditam na visão da Cabalá, como é que fica?
- O Antigo Testamento, responde Celestino, apresenta várias referências sobre a reencarnação. Citaremos aqui a passagem em que Deus diz ao profeta Jeremias que o conhecia antes dele ser concebido. Antes mesmo de te formar no ventre de tua mãe, eu te conheci; antes que saísses do seio, eu te consagrei; Eu te constitui profeta para as nações’. (Jer. 1,5). Esta passagem sugere que a alma de Jeremias já existia antes de seu nascimento no século VI antes de cristo.
Na Bíblia, se encontra toda a crença na reencarnação por parte dos profetas, de David, do povo hebreu em todas as épocas e do próprio Cristo que nunca negou a reencarnação. Pelo contrário, em Mateus 11,13 e 14 Ele afirma textualmente que João Batista era o Elias que já vivera no tempo dos Reis de Israel e que havia voltado reencarnado no corpo de João Batista.
Veja os versículos na íntegra: Porque todos os profetas bem como a Lei profetizaram até João. E, se quiserdes dar crédito, ele é o Elias que devia vir’. Mt. 11,13 e 14. Palavras do Cristo. Quem quiser que as negue, eu não me atrevo. Temos ainda em toda a Bíblia passagens do Gênesis ao Apocalipse que mostram a certeza na volta da alma ou espírito em outro corpo e que tanto os profetas como os judeus ortodoxos até hoje ainda acreditam.
Passagens da Ressurreição
Segundo Celestino, a Ressurreição, em princípio, é definida como o retorno da alma ao corpo que parecia estar morto. “Na Bíblia existem oito casos de ressurreição. Três casos ocorrem no Velho Testamento, o primeiro é narrado no I livro dos Reis cap. 17 vers. 21 e 22, (a ressurreição do filho da viúva por Elias). O segundo no II livro dos Reis 4,32-37 (a ressurreição do filho da mulher Sunamita por Eliseu) e o terceiro também no II livro dos Reis 13,20 e 21. (ressurreição de um homem cujo cadáver tocou nos ossos de Eliseu).
 No Novo Testamento temos outros cinco casos de ressurreição. Três foram realizados por Jesus, o Cristo, como está narrado nos Evangelhos: ressurreição da filha de Jairo, o chefe da Sinagoga, narrado em Mateus 9,18-25; a ressurreição do filho da viúva de Naim (Lucas 7, 11-17) e a ressurreição de Lázaro (João 11, 1-43). As outras duas ressurreição foram realizadas por Pedro e por Paulo respectivamente, narrados nos Atos dos Apóstolos 9,36-42 e 20, 7-12. Existe uma corrente que prega a ressurreição como ocorrendo no último dia e com o mesmo corpo que se viveu. Isto não é verdadeiro.
“Na verdade, o que se traduz como ressurreição na Bíblia, com exceção dos casos citados, significa reencarnação, pois a ressurreição ocorre com o perispírito ou corpo espiritual como fala Paulo aos Coríntios na sua I carta, cap. 15, 35 a 53. A Igreja Católica recita todos os dias na missa, o Credo de Nicéia, que ao ser criado em 325 da nossa era, aceitava a reencarnação e por isso cita ‘creio na ressurreição da carne’.
O mesmo ocorre com outras passagem bíblicas que foram adaptadas aos conceitos e crenças pessoais de quem as traduziu. No entanto, Paulo de Tarso foi bem enfático ao afirmar que ‘a carne, e o sangue não podem herdar o Reino de Deus’. Orígenes, discípulo de São Clemente de Alexandria, analisando a Paulo, concluiu que quem ressuscita é o perispírito ou corpo espiritual. O corpo material é entregue a terra para ser destruído e o espírito ou alma vai a Deus”.
A Sobrevivência do Espírito
Celestino afirma que a imortalidade da alma também consta na Bíblia, sendo uma crença dos gregos, dos egípcios, hindus, chineses e outros povos. Nos Salmos de David existem muitas citações, que expressam sua crença no Sheolou Inferno, só que como uma passagem temporária, jamais como uma região de tormentos eternos. David lançou, juntamente com os profetas, o conceito de ‘Olam ha-bá’ que significa Mundo por Vir’, que era o mundo espiritual da alma, após a morte, no celestial Jardim do Éden. David foi ungido rei por Samuel, filho de Ana e de Elcana.
No I livro de Samuel cap. 2,6, encontra-se o cântico de Ana onde está escrito: O Senhor dá a morte e a vida, faz descer ao Sheol e de lá voltar. David cita em vários dos seus Salmos este conceito. O Cristo nos Evangelhos mostra claramente e em muitas citações a certeza da existência e sobrevivência da alma após a morte. ‘Ora é esta a vontade daquele que me enviou: que Eu não deixe perecer nenhum daqueles que me deu, mas que os ressuscite no último dia’ (João 6,39). Existe, neste evangelho, de uma maneira geral, a promessa e a certeza de que todos chegarão um dia à Deus. A parábola do homem rico e Lázaro é uma prova da sobrevivência do espírito (Lc. 12,13). O juízo final em Mateus 25, 31-46 é outra, e assim sucessivamente.
O Evangelho Segundo o Espiritismo
Muitos questionam por que a Doutrina Espírita criou o livro O Evangelho Segundo o Espiritismo ao invés de seguir a Bíblia. Celestino tem a resposta: “Este é mais um conceito errôneo de quem não conhece o Espiritismo. O Evangelho Segundo o Espiritismo é uma coletânea de versículos extraídos da Bíblia e interpretados pelos espíritos.
É um livro de orientações maravilhosas para as dificuldades da vida. Possui 28 capítulos, onde setenta por cento dos ensinamentos foram extraídos do Sermão do Monte, o maior legado que Cristo nos deixou e composto por ensinamentos que são aceitos por todos os cristãos. Os outros versículos são retirados dos Evangelhos e até da Primeira Aliança (Antigo Testamento), pois o seu XIV capítulo, ‘Honrar Pai e Mãe’, foi retirado do Êxodo 20,12. Portanto, não se trata de uma Bíblia dos Espíritas, mas de um roteiro moral e de muita luz retirados diretamente das páginas da Bíblia.
A Terceira Revelação
Sobre o fato do Espiritismo ser considerado a terceira revelação, Celestino explica que existem três revelações divinas no universo: “A primeira revelação foi feita através de Moisés no Monte Sinai que são os ‘Dez Mandamentos’. Na seqüência, os profetas predisseram a vinda do Cristo que nos legou a segunda revelação que foi o Evangelho.
E foi o próprio Cristo quem predisse a terceira revelação: o Espiritismo. No capítulo 14 do Evangelho de João, em suas despedidas registrando nos versículos 15 a 17, Jesus deixa uma das suas mensagens finais: ‘Se me amais, guardareis os meus mandamentos. E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da Verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece: mas vós o conhecereis, porque permanecerá convosco e estará em vós’.Cita ainda o Cristo nos versículos 12 a 14 do capítulo 16 do Evangelho de João:Muitas coisas ainda tenho a dizer-vos, mas não as podeis suportar agora. As verdades do Espiritismo ainda não são aceitas por muitos. Quando vier o paráclito, o Espírito da verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão. Ele me glorificará, porque receberá do que é meu, e vô-lo anunciará’.
O profeta Joel, que viveu 750 anos A.C. (cap. 3, 1 a 5) (algumas Bíblias traduzidas, trazem Joel 2,28) foi quem primeiro profetizou a chegada dos dons da profecia, ou seja, da mediunidade e do Espiritismo. O texto é o seguinte: ‘Depois disto derramarei o meu espírito sobre toda carne: vossos filhos e vossas filhas profetizarão; vossos velhos terão sonhos, e vossos jovens terão visões; e também derramarei o meu espírito sobre os escravos e as escravas. Tudo isto é predito também pelo Cristo, como vimos acima, e o fato ocorre com os discípulos na reunião do Pentecostes e está narrado em Atos 2, 1-21”.
A Salvação Segundo o Espiritismo
Celestino analisa a questão da salvação sob a ótica espírita como sendo uma conquista diária. Esclarece: “Nós preparamos o nosso caminho todos os dias para o nosso reencontro com Deus. É lógico que, em princípio, a salvação é para todos, porém segundo o nosso proceder, uns chegam primeiro outros depois, porém todos chegam. ‘Abandone o ímpio o seu caminho, e o homem mau os seus pensamentos, e volte para Deus, pois terá compaixão dele, e para o nosso Deus, porque é rico em perdão’ (Is. 55,7). Cristo acrescenta: ‘Assim é a vontade de vosso Pai celeste que não se perca um só destes pequeninos’ (Mt. 18,14). ‘Em verdade vos digo, os publicanos e as meretrizes vos precedem no reino de Deus’ (Mt.21, 31). Aqui o Cristo deixa bem claro que todos entrarão no reino dos Céus, até os publicanos e as meretrizes. Entrarão depois, mas que entrarão não se tem a menor dúvida”.

O Espiritismo na Bíblia, (1ª parte), de Fátima Farias

O teólogo e professor universitário paraibano Severino Celestino da Silva não aceita críticas sem fundamentos lógicos. Cansado de ouvir falar que a Bíblia condena o Espiritismo consultou 16 Bíblias e ali encontrou disparidades de conteúdo. Lembrou-se das palavras de São Jerônimo: “A verdade não pode existir em coisas que divergem”.
Decidiu mergulhar na fonte hebraica da Bíblia, comparou com as versões em grego e latim, e descobriu que as traduções apresentam conceitos políticos e pessoais dos seus tradutores, que comprometeram sua autenticidade.
Debruçou-se na pesquisa, teve a ideia de reunir o resultado no livro Analisando as Traduções Bíblicas, que aponta as distorções ocorridas nos textos sagrados de Moisés até hoje. A obra teve tamanha repercussão pelo Brasil afora e até no exterior (três edições em menos de dois anos), que já recebeu proposta para editá-lo em espanhol e esperanto.
Ele consultou ainda 103 referências bibliográficas, que colocam o Espiritismo no seu devido lugar perante a Bíblia, provando também que os fenômenos mediúnicos, a reencarnação e as bases do Espiritismo, ressaltam dos textos sagrados. Precavido, ainda foi buscar o aval do israelense Gad Azaria, que revisou os textos em hebraico.
Celestino revela que na Bíblia se encontra toda a crença da reencarnação, por parte dos profetas e do povo hebreu, em todas as épocas, e do próprio Cristo que pregava sobre o retorno do espírito noutro corpo, inclusive afirmando, textualmente, que João Batista era o Elias que já vivera no tempo dos Reis de Israel e que havia voltado reencarnado no corpo de João Batista. Dos 23 capítulos do livro, oito se referem à reencarnação na Bíblia.
Celestino considera a Bíblia o livro mais fantástico do universo, por possuir um conteúdo moral, religioso e de relacionamento do homem com Deus indiscutível, porém constata que ainda é muito incompreendida pelo homem. “A Bíblia hoje em português representa uma verdadeira ‘Torre de Babel’ e se perde aquele que busca entender a sua mensagem.
Este foi o motivo que me levou a escrever este livro que traz verdades importantes para quem quer seguir um Deus único, misericordioso, infinitamente justo e bom e sobretudo Amor. É um livro que mostra ainda a inexistência de religiões na Bíblia, bem como a inexistência de condenação à Doutrina Espírita. Ele leva você a refletir sobre o amor, a prática da caridade, o amor ao próximo e que a fé sem obras em si é morta”, explica.
As religiões tradicionais costumam argumentar que a Bíblia não se refere ao Espiritismo, mas Celestino tem a resposta: “Realmente a Bíblia não apresenta, em nenhuma de suas páginas, referência ao Espiritismo, de onde logicamente se conclui que não poderia proibir a sua prática ou condená-lo. Seria até uma incoerência.
A Doutrina Espírita foi codificada por Allan Kardec em 1857, já a Bíblia foi escrita há quatro mil anos atrás, como poderia condenar uma doutrina que surgiria tanto tempo depois? O que encontramos em todas as suas páginas são fenômenos mediúnicos incontestáveis e realizados pelos profetas que eram, na verdade, grandes médiuns”.
Esclarecendo Deuteronômio
Celestino ainda aponta o discurso dos opositores do Espiritismo, que se utilizam do Deuteronômio para ilustrar e justificar suas posições discriminatórias em relação à doutrina kardecista. Ele esclarece essa utilização do livro bíblico. “O Deuteronômio é um livro fantástico. É nele que existe um maravilhoso e incontestável legado para a humanidade: os Dez Mandamentos. Foi nele que Deus registrou a Primeira Aliança. Mas, as pessoas querem ligar as recomendações de Moisés, feitas para o povo Judeu há quatro mil anos no deserto do Sinai, como se fossem dirigidas para os espíritas, que nem existiam naquela época. Eu tenho o maior respeito pelo Deuteronômio, mas é um livro do Judaísmo e sendo o Espiritismo uma religião cristã, como pode ser condenado por uma religião judaica?
“Examinando-se com atenção o Deuteronômio em sua língua original, você vai observar que ele apresenta, com relação à proibição de consulta aos mortos, o mesmo rigor e respeito apresentado por Alan Kardec no Livro dos Médiuns, (questões 273, 274 e 275). Portanto, qualquer coisa fora disto é desconhecimento ou má fé de quem assim se pronuncia”.
Para as pessoas que insistem em afirmar que o Espiritismo não é uma religião cristã, ele reage: “Só quem não conhece o Espiritismo pode fazer tal afirmativa. Os postulados da Doutrina Espírita são todos baseados em princípios cristãos. O Espiritismo complementa o Cristianismo e nos mostra ainda claramente de onde viemos, o que estamos fazendo na terra e para onde iremos. Toda a prática espírita é gratuita, dentro do princípio do Evangelho: ‘Dai de graça o que de graça recebeste’ (Mt. 10,8). A moral que o Espiritismo prega é a moral cristã, ditada pelo Cristo, o maior espírito que habitou o nosso planeta.
“O Espiritismo nos ensina que somos espíritos imortais e quer estejamos na terra, quer no mundo espiritual, trabalhamos ativamente para alcançar a perfeição. O Espiritismo respeita todas as religiões, valoriza todos os esforços para a prática do bem e trabalha pela confraternização entre todos os homens, independentemente de sua origem, cor, nacionalidade, crença, nível cultural ou social. Reconhece, ainda, que o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei da justiça, do amor e da caridade, na sua maior pureza. O Espiritismo nos demonstra que a justiça divina é rigorosamente cumprida, havendo recompensa para os bons e cobrança para os maus. (Mt. 5,25; Efé. 6,8 e 9; Col 3,25; Tia.2,13; Gál. 6,6-8). E nos mostra também que não há penas eternas. O espírito culpado, logo que se arrependa do mal que praticou, obtém a condição de repará-lo. Neste sentido, é preciso trabalhar para corrigir o mal que foi praticado contra o semelhante”.
E ainda, com relação às confusões feitas pelos opositores do Espiritismo, Celestino esclarece: “O Espiritismo não possui hierarquia religiosa, não tem sacerdotes, nem rituais ou formas de culto exterior e nem queima de incenso ou velas, não usa amuletos ou similares, altares, imagens, andores, velas, procissões, sacramentos, concessões de indulgência, paramentos, bebidas alcoólicas ou alucinógenas, incenso, fumo, talismãs, amuletos, horóscopos, cartomancia, pirâmides, cristais, búzios ou quaisquer outros objetos. Em resumo, o Espiritismo é o Evangelho redivivo de Jesus”.



Paulo e a Ressureição Espiritual, de Jefferson Moura de Lemos

O judaísmo se desenvolveu assimilando e adaptando muito dos fundamentos religiosos e culturais dos povos politeístas que existiam ao redor dos assentamentos hebreus.
Essas sociedades elaboraram varias histórias sobre homens especiais ou semideuses, que puderam adentrar fisicamente no mundo espiritual, descendo [1] ao mundo dos mortos ou subindo à residência dos deuses.
O judaísmo também incorporou em sua mitologia heróis que foram transferidos corporalmente para a morada divina. Como aconteceu com o lendário Henoc e o profeta Elias.
Entretanto, os antigos não notavam a impossibilidade de um corpo biológico viver num ambiente puramente espiritual. As tradições escritas, recuperadas pelos historiadores demonstram que não havia realmente essa preocupação.
Todavia, as passagens do Novo Testamento referentes ao apóstolo Paulo evidenciam que ele preocupou-se com esse detalhe, desenvolvendo no decorrer do seu apostolado o conceito de corpo espiritual [2]. Se havia um corpo material, deveria existir também um corpo espiritual, o primeiro é da terra, o segundo é do céu raciocinava (1Coríntios 15:49).
É provável que o convertido de Damasco tenha passado a investigar a existência dessa substância a partir do impacto que a visão luminosa de Jesus deixou registrado em sua mente. Ora, se Jesus ressuscitou corporalmente, de acordo com a informação dos discípulos, como apareceu de maneira semelhante a um ser espiritual?
Talvez alguma transformação devesse ter se operado em seu corpo ressurreto, possibilitando esse fenômeno.
Essa conclusão não se tratava apenas de uma dedução metafísica, havia relatos testemunhais que confirmavam a existência desse segundo corpo, colhidos ou constatados pelo próprio Paulo durante as suas andanças. Como se pode verificar em algumas passagens:
“Em verdade que não convém gloriar-me; mas passarei às visões e revelações do Senhor. – Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu. E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) – Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar.” (2 Coríntios 12:1-4)
A dúvida se o dito homem foi levado em um corpo sutil expõe claramente que essa possibilidade era plausível. Outro acontecimento interessante é narrado no livro de Atos 16:9 quando o apóstolo recebe a visita em espírito de um jovem macedônio, que também passava por uma experiência fora do corpo.
Na visão, o rapaz pede para Paulo se dirigir à Macedônia e levar seus ensinamentos: “Passa à Macedônia e ajuda-nos”. Esses fenômenos sugeriam que o corpo espiritual constituía parte essencial do ser humano, podendo ausentar-se provisoriamente, sem que o indivíduo passasse obrigatoriamente pela morte. Isso implicava imortalidade da alma, crença que Saulo já conhecia quando pertencia à seita dos Fariseus.
Desse modo, o apóstolo dos gentios passou a ensinar que os mortos vão ressuscitar já transformados, revestidos desse segundo corpo, quer dizer, a ressurreição não seria em carne, mas, consistia numa manifestação visível e definitiva dos espíritos dos que morreram [3]:
“Mas alguém dirá: Como ressuscitarão os mortos? E com que corpo virão?” – “Assim também a ressurreição dentre os mortos. Semeia-se o corpo em corrupção; ressuscitará em incorrupção.” – “E, assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial.” (1 Coríntios 15:35;42;49) – “Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; À universal assembleia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados.” (Hebreus 12:22-23)
 Quanto aos vivos, Paulo ensinava que teriam necessariamente que passar por uma transformação ainda na carne, perdendo as características materiais, visto que o corpo físico não poderia existir numa esfera imaterial: “Qual o terreno, tais são também os terrestres; e, qual o celestial, tais também os celestiais” – “E agora digo isto, irmãos: que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção.” (1 Coríntios 15:48;50).
Assim, sendo, as antigas afirmações de que pessoas poderiam ascender fisicamente ao céu foram rechaçadas e o apóstolo vê nesses personagens pessoas que foram espiritualmente transladadas. Na sua epístola aos hebreus 11:4-11, ele faz uma lista de personagens destacados pela sua fé incluindo Henoc dizendo: “Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte, e não foi achado, porque Deus o trasladara” (Hebreus 11:5).
Só que mais adiante esclarece: “Todos estes morreram na fé, sem terem recebido as promessas; mas vendo-as de longe, e crendo-as e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra” (Hebreus 11:13). Ou seja, segundo ele acreditava, Henoc não passou por uma morte normal, seu corpo não sofreu decomposição pela terra como acontece com todos, mais foi transformado ainda vivo, perdendo o componente biológico e tornando-se completamente uma criatura espiritual [4], morrendo fisicamente como todos os homens.
Partindo desses raciocínios, Paulo acreditava, quando escreveu essas cartas, que Cristo retornaria estando ele ainda vivo e todos os seus contemporâneos passariam pela mudança, isto é, pela substituição completa do corpo material pela substância espiritual:
“Eis aqui vos digo um mistério: Na verdade, nem todos dormiremos [5], mas todos seremos transformados; – Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. – Porque convém que isto que é corruptível se revista da incorruptibilidade, e que isto que é mortal se revista da imortalidade. – E, quando isto que é corruptível se revestir da incorruptibilidade, e isto que é mortal se revestir da imortalidade, então cumprir-se-á a palavra que está escrita: Tragada foi a morte na vitória.” (1 Coríntios 15:51-54) [6]
     Entretanto, Jesus não retornou na época de Paulo. Na realidade, o Apóstolo das gentes anteviu de maneira imperfeita (1 Coríntios 13:9-10) o futuro da humanidade, quando o mundo será habitado exclusivamente por seres espirituais aperfeiçoados [7]. Atualmente todos ressuscitam após a morte, ou seja, retornam ao plano espiritual revestidos do envoltório perispírito.
Em outras palavras, desencarnar é ressuscitar, só que provisoriamente, pois a reencarnação ainda é uma necessidade. Transitando entre dois mundos, um denso e outro fluídico, tornamo-nos invisíveis na maioria das vezes para os que ficam encarnados. No futuro, todos estarão unidos, pois não haverá mais desencarne nem reencarnação na terra, já que todos estarão vivendo definitivamente na vida espiritual, num lugar purificado e renovado pelo afastamento dos espíritos que não quiseram evoluir.
Com a evolução, a matéria dos corpos físicos irá tornar-se gradativamente cada vez mais rarefeita e no final restará apenas o perispírito como veículo de manifestação dos moradores do orbe terreno, que também estará igualmente menos denso e espiritualizado.
Essa futura vida puramente espiritual é testificada nas seguintes palavras de Jesus:
“E, respondendo Jesus, disse-lhes: Os filhos deste mundo casam-se, e dão-se em casamento; Mas os que forem havidos por dignos de alcançar o mundo vindouro, e a ressurreição dentre os mortos, nem hão de casar, nem ser dados em casamento; Porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.” (Lucas 20:34-36)
Jefferson Moura de Lemos
Referências e notas:
[1] Para os antigos, o espírito descia para um mundo espiritual debaixo da terra denominado pelos hebreus de Xeol. E assim como seu equivalente mesopotâmico o Arallu, a vida do espírito no Xeol era temida e não desejável, pois o morto vagava como uma espécie de sombra, sem o contato frequente com os vivos e sem os prazeres da vida corpórea, então ter uma vida longa era a maior benção que um mortal poderia ter. Daí o pessimismo que muitos textos do antigo testamento demonstram pelo post-mortem levando muitos estudiosos a negarem errôneamente a crença na imortalidade da alma nesses documentos. O próprio Jesus desceu em espírito ao Xeol ou mansão dos mortos e pregou aos espíritos em prisão (Efésios 4:8-10; 1 Pedro 3:18-19; Hebreus 13:20)
[2] No espiritismo o corpo espiritual é chamado de perispírito.
[3] Após a morte de Jesus, vários espíritos materializados se mostraram às pessoas e estas por não compreenderem o fenômeno julgaram que eles haviam sido ressuscitados corporalmente. Nenhuma escritura posterior falou mais sobre esses ressuscitados o que demostra que eram aparições temporárias de espíritos (Mateus 27:50-53).
[4] Eclesiástico 44:16; Sabedoria 4: 10-11
[5] Entre os costumes dos povos do oriente médio, e não somente dos judeus, a morte era comparada com o sono em referência somente aos despojos físicos, que voltavam ao solo de onde provieram.
[6] Ver também: 2 Coríntios 5:6-8; Filipenses 3:20-21; Romanos 8:21
[7] Hebreus 1:10-12; Isaías 65:17; 2 Pedro 5: 10-13 – O Evangelho Segundo o Espiritismo cap. 3 itens 3 a 19; A Gênese Cap. 11 item 27,28; O Livro dos Espíritos questões 41, 591, 601. Todos de Allan Kardec.


MOISÉS E A SOBREVIVÊNCIA DA ALMA

“E morre no monte ao qual subirás; e recolhe-te ao teu povo, como Arão teu irmão morreu no monte Hor, e se recolheu ao seu povo.” (Deuteronômio 32:50)
Para os mortalistas, que são os cristãos que não creem na imortalidade da alma, esse versículo apenas enfatiza o retorno do grande legislador hebreu ao pó da terra. Ressaltando que na morte, Moisés e Arão seguiram o mesmo caminho dos seus antepassados, descendo ao sepulcro.
Mas, essa ótica mortalista não encontra respaldo no texto nem no raciocínio, visto que o aviso propunha um retorno especifico, guardando nas entrelinhas a esperança e a consolação de um futuro reencontro entre seres conscientes. Isto não pode se dar entre elementos inorgânicos, que é o que acontece quando ocorre a decomposição dos corpos, cujos componentes são reaproveitados pela natureza, tornando todos os restos mortais, sejam de humanos ou de animais solidários no pó.
  Assim, de nenhum modo o anúncio feito pelo Espírito Superior a Moisés aponta para a sepultura. Isso fica bem claro na frase: “Recolhe-te ao teu povo”.
  Muitas comunidades veem os cemitérios como solos sagrados de seus antepassados e fazem questão de serem enterrados no mesmo terreno em que estão os despojos de seus ancestrais, e isso até poderia explicar a passagem em tela.
Todavia, o texto não se refere a algum cemitério hebreu, em que Moisés poderia ter sido enterrado junto dos seus, pois os hebreus estavam errantes no seu caminho para Canaã [1]. Alias, O transpasse ocorreu no monte Nebo, próximo das planícies moabitas de onde Moisés vislumbrou a terra prometida sem poder entrar nela.
 Assim sendo, essa passagem Deuteronômica fica ininteligível, quando não utilizamos a chave interpretativa da imortalidade da alma. E o referencial mais abalizado sobre essa ideia é a opinião de Jesus.
 Moisés no período inicial de sua missão, quando foi informado pelo mensageiro de Deus na sarça ardente que seria o libertador dos hebreus da escravidão egípcia [2], ouviu a seguinte frase: “Eu sou o Deus de teus pais, o Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó”. O anjo não disse ‘Eu Fui’ ou ‘o Deus que Abraão adorou’, mas, asseverou apenas: “Eu Sou”. Em outras palavras, os três ainda eram servos do Eterno permanecendo vivos e conscientes no mundo espiritual e o Senhor continuava sendo o seu Deus.
Esse mesmo pensamento foi relembrado por Jesus perante os Saduceus que eram os mortalistas da época [3]. Reafirmando a frase dita a Moisés, o Mestre de Nazaré advertia os discípulos de Zadok que erravam por não interpretarem corretamente a Bíblia acerca da imortalidade, visto que o Senhor não é Deus de mortos, mas de vivos [4]. Em outro momento Jesus ratificou novamente a sobrevivência e consciência dos mortos na parábola do Rico e Lázaro se dirigindo aos fariseus [5].
Ora, Jesus reprovou o ceticismo saduceu e não reprovou o imortalismo farisaico, reforçando ainda mais essa crença através da parábola. Isso significa que o próprio Cristo compartilhava desse credo, caso contrário, teria repudiado publicamente a sobrevivência e o estado cônscio da alma, como fizera tantas vezes ao referir-se a hipocrisia farisaica [6].
  Portanto, a mensagem direcionada a Moisés utilizando a chave da imortalidade da alma, queria dizer que, apesar de não poder habitar fisicamente a terra de Canaã, o legislador ao morrer [7] iria se reunir à comunidade dos hebreus que já estava no mundo espiritual, como aconteceu com seu irmão Arão. A Lei de afinidade é universal e os espíritos desencarnados como os encarnados geralmente procuram aqueles com quem mantêm relações de amizade ou culturais.
  Por isso, séculos mais tarde, durante o fenômeno da transfiguração o espírito de Moisés ao lado de Elias apareceu diante de Jesus. Sancionando definitivamente a continuidade da vida no mundo espiritual e a comunicação entre esses dois mundos [8].
 Na pergunta 160 de “O Livro dos Espíritos” encontramos o seguinte questionamento de Allan Kardec aos espíritos superiores:
“O Espírito se encontra imediatamente com os que conheceu na Terra e que morreram antes dele?”
– E a espiritualidade respondeu:
“Sim, conforme à afeição que lhes votava e a que eles lhe consagravam. Muitas vezes aqueles seus conhecidos o vêm receber à entrada do mundo dos Espíritos e o ajudam a desligar-se das faixas da matéria. Encontra-se também com muitos dos que conheceu e perdeu de vista durante a sua vida terrena. Vê os que estão na erraticidade, como vê os encarnados e os vai visitar.”
   Na parábola do mordomo infiel Jesus em sua conclusão ilustra o mesmo ponto de vista dos espíritos da Codificação Kardequiana: “E eu vos digo: granjeai amigos com as riquezas da injustiça, para que, quando estas faltarem, vos recebam eles nos tabernáculos eternos”. Quer dizer, o homem iníquo ao arrepender-se e utilizar a sua riqueza em beneficio do próximo, fará amigos agradecidos. E esses o receberão depois da morte no mundo espiritual (tabernáculos eternos). Acontecendo o mesmo para o homem que continua iníquo, sendo recebido no plano espiritual por injustos como ele.
  É a mesma Lei de afinidade que rege as relações humanas nos dois planos da vida. Harmonizando as três revelações de Deus: O Judaísmo, o Cristianismo e o Espiritismo.
Jefferson Moura de Lemos
[1] Números cap. 14
[2] Êxodo 3:6
[3] (Atos 23:7-8)
[4] Lucas 20: 37 – 38
[5] Ver nosso artigo: A Parábola do Rico e Lázaro
[6] Logicamente que o conceito sobre uma vida além-túmulo no Antigo Testamento era muito vago, embora acreditassem numa vida espiritual subterrânea no Xeol. Todavia, o Espírito do Senhor que se dirigiu ao grande legislador confirmando que o desencarne dele estava próximo e também Jesus tinham o conhecimento real sobre a vida do espírito no pós-morte.
[7] Deuteronômio: 34: 5,6,8. Josué 1:1-2
[8] Ver também nosso artigo: “Jesus e o espírito de Moisés”.



Somos Criaturas ou Filhos de Deus? De Jefferson Moura de Lemos

 

Segundo o cristianismo tradicional, os seus adeptos são os únicos credenciados para se afirmarem filhos de Deus. Essa opinião é baseada em alguns textos, como por exemplo, João 1:12 onde se lê: “Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus”.
Para se entender essa e outras passagens é necessário compreender o contexto e as motivações dos discípulos de Jesus naquele momento.
Os seguidores mais próximos de Jesus, sendo judeus, estavam impregnados pelas mitologias de seu povo. Utilizando como ideia inicial de suas reflexões a queda do primeiro casal e a consequência da sua desobediência: o pecado original.
Assim, acreditavam que, sendo Adão filho de Deus (Lucas 3:38), pois foi criado diretamente das suas mãos, ao perder a filiação divina por ocasião da queda, transmitiu para a sua descendência a condição de criaturas em busca de reconciliação com o seu criador. Somente após se reconciliarem com o Eterno é que o gênero humano poderia ascender novamente ao status de filhos.
Até mesmo os judeus que eram chamados de povo de Deus não detinham essa prerrogativa, pois se consideravam filhos de Abraão (Lucas 3:8), igualando-se nesse sentido (de criaturas) aos gentios.
Jesus era o elo que faltava para essa reconciliação. Se Adão condenou o ser humano a carregar um pecado hereditário, Jesus resgataria essa falta pelo sacrifício da própria vida (Romanos 5: 8-19). Reconduzindo todos os que passassem a crer em seu sacrifício para a comunhão filial com o Eterno. Já não serão apenas criaturas, mas legítimos filhos de Deus.
Acontece que as descobertas da ciência demonstram a inexistência dos personagens de Adão e Eva comprovando a sua origem mitológica e simbólica. Invalidando por consequência o resultado de sua queda.
Jesus por sua vez, não poderia substituir essas ideias mitológicas sem prejuízo para a sua missão. Portanto, teve que submeter-se às opiniões da época e trabalhar com o material que dispunha, para que a sua mensagem pudesse ser assimilada e disseminada, já que a doutrina da substituição sacrificial era algo aceito em praticamente todas as culturas da região e também em outras localidades do mundo. Desse modo, quando Jesus disse: “ide e pregai a toda criatura” (Marcos 16:15), apenas reproduzia um conceito que poderia ser aceito sem dificuldades.
Infelizmente, ainda hoje para a maioria dos cristãos ainda apegados à mitologia, todos os que não se enquadram no seu modelo de cristianismo estão sob o peso do pecado e apartados da filiação divina, sendo considerados apenas criaturas, deserdadas assim do reino dos céus até retornarem à condição de filhos, aceitando o holocausto de Cristo.
A Doutrina Espírita seguindo de mãos dadas com os achados científicos, não vê Adão e Eva como pessoas reais, mas, personagens alegóricos e o pecado original por consequência não aconteceu. Por conseguinte, também não houve sacrifício de substituição na cruz, quer dizer, Jesus não morreu para apagar o pecado original nem nos substituiu nos pecados individuais. Logo, todos os seres humanos são filhos de Deus e herdeiros dos Céus, isto é, todos têm condições de chegar aos planos espirituais mais elevados, através da evolução e da reencarnação.
São as diferenças evolutivas que dividem os filhos de Deus entre aqueles que já fazem a vontade do Pai, se conduzindo no caminho do bem e estando em maior sintonia com Ele ou como disse Paulo: “são guiados pelo espírito de Deus” (Romanos 8:14). E os que por vontade própria se afastam dessa sintonia, não realizando a reforma interior. O retorno ao caminho do correto agir através do arrependimento reforça os laços com os Espíritos do Senhor, volvendo o homem ao equilíbrio de sintonia mental com o Deus, por meio da oração sincera e da caridade.
“Deus prefere os que o adoram do fundo do coração, com sinceridade, fazendo o bem e evitando o mal, aos que pensam honrá-lo através de cerimônias que não os tornam melhores para os seus semelhantes.”
“Todos os homens são irmãos e filhos do mesmo Deus, que chama para ele todos os que seguem as suas leis, qualquer que seja a forma pela qual se exprimam.” O Livro dos Espíritos, questão 654.
Jefferson Moura de Lemos




Um Legislador da Pesada, de Richard Simonetti

Era temido legislador.
Instituiu castigos terríveis.
Pior: cometeu injustiças inomináveis, como se não soubesse o fundamental – a pena não pode ultrapassar a natureza do crime. Dois homens se atracam.
A mulher de um deles entra na briga. Estouvadamente pega nas vergonhas do adversário, mais exatamente o membro viril e acessórios. O caso vai parar na justiça.
É exarada a sentença, com base no código inflexível:
Que lhe sejam cortadas as mãos.
Cáspite! Isso é pura crueldade! Jamais um ato de justiça!
Certamente o leitor desavisado dirá:
– Legislador maluco!
Se você pensar assim, estará cometendo uma heresia, porquanto essa sentença está na Bíblia, no Velho Testamento (Deuteronômio, 25:11-12).
É atribuída a Jeová, o Deus judeu, promovido pelos teólogos cristãos, a supremo senhor do Universo.
Por isso, fico pasmo quando se fala que a Bíblia é a palavra de Deus.
Literalmente está se pretendendo que o Eterno inspirou tais sandices.
Há outras preciosidades:
No mesmo capítulo, do citado Deuteronômio, (5-10), Jeová determina que se um homem morrer sem deixar descendência seu irmão deverá casar-se com a viúva.
Se recusar, será levado aos anciãos.
Se insistir em não cumprir seu dever, ela cuspirá em seu rosto, tirará as sandálias de seus pés e seu lar passará a ser a casa do descalçado. Diríamos do “desgraçado”, certamente o mal menor, considerada a possibilidade de que a cunhada fosse mais velha, de parcos atrativos e fartas rabugices…
Em Reis (2:23-25), crianças peraltas caçoaram da calvície do profeta Eliseu. Digamos que o provocaram gritando, a respeitável distância:
– Careca! Careca!
“Piedosamente”, Eliseu evocou a ira divina sobre os pirralhos. Imediatamente Jeová providenciou o castigo: duas ursas saíram de bosque próximo e despedaçaram quarenta e dois meninos.
A agressividade do deus bíblico faz-se sentir em toda sua pujança, em Josué (10:36-43):
Assim feriu Josué toda aquela terra, a região montanhosa, a Neguebe, as campinas, e as descidas das águas, e a todos os seus reis.
Destruiu tudo o que tinha fôlego, sem deixar sequer um, como ordenara o senhor deus de Israel.
Esse tudo o que tinha fôlego abrangia homens, mulheres, velhos, crianças, animais, peixes, pássaros… todos os seres vivos!
Nem Hitler (1889-1845), Stalin (1879-1953) e Átila (406-453) juntos seriam tão cruéis.
Diz Mark Twain (1835-1910):
O que me incomoda na Bíblia não são os trechos que não compreendo. São justamente os que compreendo.
O notável escritor americano está certíssimo.
Impossível aceitar que tantas tolices, ingenuidades, sandices, maldades e violências possam ser atribuídas aos humores de um deus não muito certo do que faz e do que quer, tanto que, em dado momento, como está em Gênesis, capítulo 6, arrependeu-se de ter feito o Homem.
É isso mesmo!
O Eterno decidiu acabar não só com a raça humana, mas com todas as formas de vida, promovendo um dilúvio universal.
Não fosse Noé cair em suas graças e receber autorização para construir a arca, certamente você não estaria lendo estas linhas.
Não quero sugerir que devamos menosprezar a Bíblia. Simplesmente, devemos colocá-la em sua dimensão exata: não um livro divino, mas um repositório das lendas, tradições e costumes do povo judeu.
Devemos analisá-la em seu contexto histórico, separando o joio do trigo, sem medo de descartar o que não receba a aprovação da razão.
Então aproveitaremos melhor a leitura, extraindo, tanto do Novo quanto do Velho Testamento, o que há de bom, produtivo e edificante, não a palavra de Deus, mas de homens que, em determinado momento, superaram as fragilidades humanas, oferecendo-nos flashs de espiritualidade.
Nesse contexto, o destaque está com Jesus, o único Espírito em trânsito pela Terra com elevação suficiente para situar-se em comunhão com Deus e nos oferecer uma visão mais ampla da vontade celeste.
Revogando sutilmente tudo o que até então se atribuíra ao verbo divino, Jesus sintetiza a orientação ideal em dois mandamentos singelos, suficientes para edificar o sonhado reino divino, de justiça, paz e concórdia entre os homens:
O amor a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a nós mesmos.

A SERPENTE E A IMORTALIDADE DA ALMA


No relato bíblico, a serpente induziu Adão e Eva a comerem o fruto da árvore do bem e do mal, com a promessa de que eles não morreriam, contrariando o vaticínio divino de que provar o fruto proibido era morte certa. Para os adeptos do mortalismo, essas palavras da cobra são uma alusão à imortalidade da alma, doutrina que eles não acreditam, pois, para esses irmãos a alma também morre juntamente com o corpo; assim, a serpente teria criado uma falsa crença para enganar os primeiros humanos.
Entretanto, a Biologia e a História comprovam que a descrição do Gênesis é totalmente mitológica e simbólica, não podendo ser tomada no seu sentido literal, pois os personagens de Adão e Eva não existiram, não foram pessoas reais. Assim, a única leitura que se pode fazer desse texto é num âmbito figurativo.
Desse modo, a descrição feita pelo Gênesis em sua simbologia, presta-se a diversas interpretações de acordo com a ideologia dos intérpretes. Por isso, mesmo não considerando essa história como real, iremos demonstrar através de uma análise literal do texto que podemos chegar a uma conclusão totalmente diferente do que os mortalistas supõem, não havendo nas entrelinhas nenhuma referência à doutrina da imortalidade da alma.
O “primeiro casal” já vivia uma vida física fadada à morte, pois dependiam inteiramente da árvore da vida para continuarem vivendo para sempre, ou seja, eram imortais enquanto comecem dessa árvore (Gênesis 2:9;16), era uma imortalidade física condicional como dizem os mortalistas. Mas, a serpente lhes fez acreditar que se provassem da árvore do bem e do mal não seriam apenas semelhantes a Deus, mas, totalmente iguais a Ele em conhecimento e sabedoria: “Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal” (Gênesis 3:5).
Por isso: “viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento” (Gênesis 3:6). Só que as coisas não foram bem assim e após a desobediência Deus expulsa o casal caído para fora do jardim para que não tivessem acesso a árvore da vida e continuassem vivendo para sempre. Adão e Eva não morreram de imediato, tendo uma vida longeva em anos, somente não mais tinham acesso à fonte de sua imortalidade física.
Desse modo, verifica-se que a serpente não se referia à imortalidade da alma, mas, induzia o ingênuo casal ao desejo de igualar-se ao seu criador, tornando-se deuses e por consequência eternos: “Certamente não morrereis” (Gênesis 3:4). Esse texto logicamente trata-se de uma alegoria, representando o castigo a toda a pretensão humana de elevar-se ao nível de divindades, algo comum nos tempos antigos e que era intolerável ao monoteísmo judaico.
Logo se percebe os resquícios das mitologias politeístas mais antigas que serviram de base para a adaptação monoteísta do Gênesis judaico. Porquanto, a essência fundamental continuou intacta: os deuses detinham todo o conhecimento, mas, alguém repassou a ciência divina para o homem deixando as divindades furiosas, castigando a humanidade pelo seu atrevimento.
Essa mesma essência encontramos na criação do homem na mitologia dos povos mesopotâmicos, ver “Adapa”, uma das fontes principais do Gênesis, e “Prometeu” na mitologia grega entre outras.
Desse modo, o ensino mortalista de que a crença na imortalidade da alma teve início no Éden com a serpente é simplesmente uma falácia infantil.
Jefferson Moura de Lemos

Nenhum comentário:

Postar um comentário